PUBLICIDADE
Topo

Flávio, gêmeo de Gustavo, relata luta contra covid-19: 'Pensava no pior'

Flávio foi infectado pelo coronavírus: "Pior experiência da minha vida" - Reprodução/Instagram
Flávio foi infectado pelo coronavírus: 'Pior experiência da minha vida' Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para o UOL

31/03/2020 16h37

Flávio Mendonça, que fez sucesso na televisão nos anos 2000 com seu irmão gêmeo Gustavo, relatou no Instagram a luta que travou contra a covid-19 depois de ser infectado pelo coronavírus. Ele recebeu alta hoje do hospital Albert Einstein, em São Paulo, e contou que foi a "pior experiência de sua vida.

Flávio conta que gravou o reality show do "Domingo Show", programa de Sabrina Sato (TV Record) e depois, quase um mês depois, em 13 de março, começou a sentir "uma gripezinha, quando estava na praia com os filhos. Ele foi ao hospital e foi instruído a voltar para casa e fazer quarentena.

"Fiz isso e só piorava. Achei que morreria. Retornei ao hospital no domingo (22 de março) e já estava com um quadro grave de complicações pulmonares. Recebi um protocolo para tratar a pneumonia em casa. Antibióticos, antitérmico e quarentena. Após 5 dias, a febre deu uma trégua, mas o meu corpo parecia que havia saído de uma betoneira. Não conseguia sair da cama", relatou.

Ele retornou ao hospital na última sexta (27). "Fui internado para uma nova etapa de procedimentos. Meu quadro havia se agravado. A pneumonia estava resistente. Eu só pensava no pior . Tive medo de não voltar a ver a minha familia e sofria muito. Como pode, meu Deus, um vírus excomungado como esse causar tanta dor, tanto sofrimento?", narrou Flávio.

Ele agradeceu as orações de família e amigos, assim como a assistência da equipe médica do hospital para que ele vencesse o que chama de "a pior batalha que travei na minha vida".

Aí estou eu antes e depois do CORONAVÍRUS. Foi sem dúvida, a pior experiência da minha vida. Estive confinado do dia 23/01 a 18/02 para as gravações do MADE IN JAPÃO, do Programa Domingo Show da Sabrina Sato da Rede Record. Senti muitas saudades da minha família, da minha rotina, mas fiquei até o final, lutando para vencer, e ainda nem sei quem será o Vencedor. Saindo de lá, curti a minha familia e em 13/03 comecei com uma "gripezinha" que incluía, febre, dor no corpo, pouca tosse e muita fraqueza. Era um final de semana e eu estava na praia com os meus filhos. Em casa fiquei até a terça-feira (17/03) esperando melhoras, mas só me sentia pior. Fui ao hospital e sem possibilidades de fazer exames para o coronavírus fui instruído a voltar pra casa e manter a quarentena. Fiz isso e só piorava. Achei que morreria. Retornei ao hospital no domingo (22/03) e já estava com um quadro grave de complicações pulmonares. Recebi um protocolo pra tratar a pneumonia em casa. Antibióticos, antitérmico e quarentena. Após 5 dias, a febre deu uma trégua, mas o meu corpo parecia que havia saído de uma betoneira. Não conseguia sair da cama. Retornei ao hospital na sexta-feira (27/03) e fui internado para uma nova etapa de procedimentos. Meu quadro havia se agravado. A pneumonia estava resistente. Eu só pensava no pior . Tive medo de não voltar a ver a minha familia e sofria muito. Como pode, meu Deus, um vírus excomungado como esse causar tanta dor, tanto sofrimento? A TV, as mídias sociais, só me mostravam o pior. Minha mãe me deu uma bronca e me pediu pra não mais assistir e me fez ver que poucos morriam (e por outras causas associadas) perto dos muitos que sobreviviam. Fui aos poucos me fortificando , física e espiritualmente e consegui, com a ajuda das orações da minha familia, dos meus amigos e com a competência da equipe médica do Hospital Albert Einstein vencer essa que foi a pior batalha que travei na minha vida. Recebi alta do hospital hoje, dia 31/03. Que Deus abençoe a todos.

Uma publicação compartilhada por Flávio Mendonça (@flaviomendonca1) em

Famosos