PUBLICIDADE
Topo

Gwyneth cita Weinstein ao explicar ausência das telas: 'Tive chefe péssimo'

Gwyneth Paltrow em Los Angeles, California, em janeiro de 2019 - Jon Kopaloff/Getty Images
Gwyneth Paltrow em Los Angeles, California, em janeiro de 2019 Imagem: Jon Kopaloff/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

09/12/2020 14h19

Gwyneth Paltrow não é vista nos cinemas com muita frequência atualmente — e ela está pronta para explicar o porquê. A estrela de "Shakespeare Apaixonado" e "Homem de Ferro" chegou a citar o produtor Harvey Weinstein, atualmente preso por assédio sexual, ao falar do assunto.

Para ser totalmente honesta, eu tive um chefe péssimo pela maior parte da minha carreira cinematográfica, na Miramax. [...] Então, em algum momento, eu acabei pensando: 'Não sei se isso é realmente minha vocação'. Ainda estou tentando entender de onde veio a minha decisão, onde a minha vida mudou de rumo, mas acho que esse é um pedaço importante dessa história."
Gwyneth Paltrow ao programa de rádio 'Quarantined with Bruce'

Ex-produtor de Hollywood, Harvey Weinstein - Carlo Allegri - Carlo Allegri
Ex-produtor de Hollywood, Harvey Weinstein
Imagem: Carlo Allegri

A Miramax, que era administrada por Weinstein e pelo irmão Bob, produziu uma boa parte dos filmes mais famosos de Paltrow, incluindo "Emma" (1996), "O Talentoso Ripley" (1998) e o próprio "Shakespeare Apaixonado", que lhe rendeu o Oscar de melhor atriz.

Desgaste com a imprensa

Ter ficado famosa cedo (ela tinha 24 anos quando "Emma" foi lançado) também contribuiu para desilusão de Gwyneth com Hollywood. Definindo-se como alguém que é "sempre motivada pelo próximo desafio", ela confessou ter percebido que "não amava a atuação tanto assim".

Parte do encanto morreu, mesmo porque eu era muito vigiada pela mídia. Era uma jovem que estava vendo cada fim de relacionamento se tornar uma manchete nos tabloides. Tudo o que eu fazia, dizia e vestia era criticado."
Gwyneth Paltrow sobre seu afastamento da atuação

Novos horizontes

Gwyneth aparece atualmente na série "The Politician", da Netflix — mas, com exceção de pequenas participações como Pepper Potts nas aventuras da Marvel (culminando em "Vingadores: Ultimato"), não faz um filme desde "Mortdecai: A Arte da Trapaça" (2015).

Ao invés disso, ela se mantém em evidência como fundadora e CEO da Goop, uma marca de estilo de vida que edita revistas, vende produtos de bem-estar e beleza, e já teve até série na Netflix.