PUBLICIDADE
Topo

Aliança LGBTI+ diz que moverá processo por 'ataques bifóbicos' contra Lucas

BBB 21: Lucas Penteado e Gilberto se abraçam após beijo em festa; Aliança LGBTI+ condenou reação de outros confinados - Reprodução/Globoplay
BBB 21: Lucas Penteado e Gilberto se abraçam após beijo em festa; Aliança LGBTI+ condenou reação de outros confinados Imagem: Reprodução/Globoplay

Colaboração para o UOL, em São Paulo

07/02/2021 15h38Atualizada em 07/02/2021 15h40

A Aliança Nacional LGBTI+ divulgou uma nota de repúdio contra os "ataques bifóbicos" sofridos por Lucas Penteado no "BBB 21".

A polêmica se instaurou depois que o participante trocou beijos com Gilberto durante a festa do programa na madrugada de hoje. Outros colegas, como Lumena, Pocah e Karol Conká, questionaram se o romance era sincero ou uma "estratégia" do brother para angariar popularidade. Em meio a pressão, Lucas desistiu do confinamento.

"Um momento histórico de emoção no BBB, com o primeiro beijo entre dois homens e trocas de carinho, que foi seguido de atos preconceituosos, estigmatizantes, discriminatórios e inviabilização de uma orientação sexual. O Brasil mostra sua cara. Infelizmente é um país em que muitas pessoas são extremamente machistas, LGBTIfóbicas, racistas; e o programa televisivo espelha esse comportamento corriqueiro que ocorre fora das câmeras", lamentou a nota oficial, divulgada na manhã de hoje.

Em declaração ao UOL, Toni Reis, presidente da Aliança, disse também que advogados associados já estão se preparando para entrar com uma ação contra os responsáveis pelos ataques.

"Nós estamos fazendo uma notificação extrajudicial, porque foi muito forte. Nós estamos, nossas advogadas bissexuais. É a primeira vez que uma pessoa tem que sair por conta de um beijo, porque ela foi perseguida", ponderou ele.

A nota divulgada antes pela Aliança já destacava os "crimes" cometidos contra Lucas, mencionando a "carteirada da sexualidade" implícita no questionamento se o participante seria ou não bissexual, vindo inclusive de pessoas da comunidade LGBT.

"O que os participantes desta edição, alguns deles sendo LGBTIs, demonstraram na madrugada do dia 07 de fevereiro foi um ataque direcionado ao participante Lucas Koka Penteado, diminuindo sua existência enquanto pessoa bissexual e excluindo-o daquele meio social, fazendo com que ele comunicasse seu desejo de sair da casa por tamanha pressão psicológica", condenou o texto.

"Os ataques que a participante Lumena, pessoa negra e lésbica, fez contra o participante Lucas, questionando sua orientação sexual, caracterizam bifobia e invisibilização total do participante. Chegam ao absurdo e criminoso as atitudes realizadas durante esta edição do programa; por meio de falas extremamente bifóbicas, a participante questiona se o participante Lucas Penteado apenas beijou Gilberto para se promover com os telespectadores, uma vez que o participante não havia se declarado bissexual anteriormente, dando a famosa 'carteirada de sexualidade', nítido exemplo do preconceito que as pessoas bissexuais sofrem dentro e fora da comunidade LGBTI+", argumentou a Aliança.

Eles também condenaram a fala de Conká e Pocah sobre Lucas ter "outras formas" de assumir sua sexualidade, reafirmando a liberdade do ator de expressar sua sexualidade como bem entender.

"Vale salientar que a expressão da sexualidade é uma liberdade individual, e cada um sabe a melhor forma e o melhor momento para assumi-la e expressá-la. Pocah e Karol deveriam saber disso, pois também integram a letra B da sigla LGBTI+ e sabem como o apagamento da bissexualidade pode ser violento dentro e fora da comunidade LGBTI+", concluiu a mensagem.