PUBLICIDADE
Topo

Bruno Gagliasso discute com Fernando Collor: 'Vai trabalhar e me respeite'

Colaboração para o UOL, em São Paulo

09/02/2021 22h00Atualizada em 10/02/2021 13h06

Bruno Gagliasso se envolveu em uma discussão com o atual senador Fernando Collor (Pros-AL) após criticar as políticas econômicas de Collor quando era presidente do Brasil, entre 1990 e 1992. Em publicação nas redes sociais, Gagliasso chamou atenção para a aproximação do carioca com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Chega a ser uma piada esse presidente que representaria tudo de 'novo' trazer pra ser seu conselheiro econômico um sujeito que fez tantas famílias sofrerem com sua política econômica. BolsoCollor é um escárnio", escreveu o ator.

A crítica não passou despercebida pelo ex-presidente, que sofreu impeachment em 1992, após ser condenado pelo Senado por crime de responsabilidade, acusado de comandar um esquema de corrupção. Ele alfinetou Gagliasso e o acusou de querer "lacrar" nas redes sociais.

"Sujeito, para de espernear e querer lacrar. Aproveita o tempo vago e vai fazer algo de útil pelo Brasil. Se não conseguir, vai para Noronha e para de encher o saco."

A discussão não parou por aí e Bruno Gagliasso respondeu ao senador: "Tá querendo palco, irmão? Eu não ganho dinheiro do povo pra estar no Twitter ofendendo os brasileiros. Eu sou um brasileiro pagador de impostos e você é meu funcionário. Vai trabalhar e me respeite."

Em outra publicação, Gagliasso ainda criticou a postura de Collor ao confrontá-lo na web.

Durante o Plano Collor, o confisco das cadernetas de poupança foi responsável pelos "sonhos esmagados" de muitos brasileiros citados pelo ator, entre eles a família de Fabiula Nascimento. "O Collor acabou com a vida da minha família, com os sonhos do meu irmão. Anos para nos recuperar", disse a atriz, no Twitter.

Essa não é a primeira vez que o ator se manifesta nas redes sociais a respeito de política. No ano passado, Bruno Gagliasso se pronunciou contra decreto publicado por Bolsonaro que tinha a intenção de privatizar o SUS e chegou a citar uma música de Manu Gavassi para comentar relação do presidente com o ex-ministro Sérgio Moro.