PUBLICIDADE
Topo

Viúva de Nick Cordero é vacinada contra covid com dose que iria para o lixo

Amanda Kloots, viúva de Nick Cordero, toma a primeira dose da vacina - Reprodução/Instagram
Amanda Kloots, viúva de Nick Cordero, toma a primeira dose da vacina Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

21/02/2021 18h13

Quase oito meses depois de perder o marido para a covid, Amanda Kloots, viúva do ator Nick Cordero, foi vacinada em Los Angeles, nos Estados Unidos. A influenciadora fitness de 38 anos contou que foi imunizada com uma dose da vacina da Pfizer que seria descartada.

"Fui a um local de vacinação e esperei em meu carro até que todos os agendamentos terminassem, na esperança de que tivessem alguma dose extra. Eu estava totalmente pronta para não ser atendida, mas eles disseram que tinham o suficiente para todos que esperavam", explicou Amanda.

A explicação é simples. As doses da vacina têm um prazo de validade curto, de horas, após um frasco ser aberto. Quando sobram doses, as vacinas acabam descartadas. Por isso, algumas pessoas têm ido aos locais de vacinação para receber essas doses que seriam descartadas, mesmo que elas não estejam na faixa etária do público-alvo da fase de vacinação.

familia - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Ator e músico Nick Cordero com a esposa Amanda Kloots e o filho, Elvis
Imagem: Reprodução/Instagram

Em Los Angeles, onde Amanda tomou a vacina, o foco no momento são os profissionais de saúde e residentes acima de 65 anos. As pessoas fazem o agendamento e tomam a vacina no sistema drive-thru, dentro de seus carros. A viúva de Cordero ficou em uma fila de espera e acabou imunizada após o fim dos agendamentos.

"Desde que Nick morreu, como uma mãe solteira, estou apavorada de pegar esse vírus e agora estou um passo mais perto da segurança", desabafou Amanda, que foi ao local acompanhada pelo seu filho Elvis, de 1 ano, e um casal de amigos. Ela usou uma máscara com o nome do menino.

Cordero ficou mais de 90 dias internado após contrair a covid-19. O ator se curou da doença, mas enfrentou outras complicações e acabou morrendo em 5 de julho do ano passado, aos 41 anos.

Ele foi submetido a diálise, teve a perna direita amputada por causa de problemas de coagulação, sofreu uma nova infecção pulmonar e perdeu 30 kg durante a hospitalização.