PUBLICIDADE
Topo

Gretchen rebate críticas após dizer que 'gays querem ser mulheres'

Gretchen rebate críticas na web - Imagem: Reprodução/Instagram@mariagretchen
Gretchen rebate críticas na web Imagem: Imagem: Reprodução/Instagram@mariagretchen

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/03/2021 15h32

Gretchen Miranda, de 61 anos, se tornou alvo de críticas hoje após um comentário feito ao "Flow Podcast" viralizar no YouTube.

Durante a entrevista ao podcast, a Rainha do Rebolado declarou que todos os gays querem ser mulheres, e tratou travestis no masculino. "O gay quer ser uma mulher. Então, sou a bicha que deu certo, eu nasci mulher. Mas tenho as atitudes e o jeito de um travesti", disse ela, à ocasião.

Mesmo com a repercussão negativa, Gretchen resolveu se posicionar por meio das redes. Em uma série de tweets já deletados, ela declarou que faz o mesmo comentário há muitos anos e "nunca nenhum gay se sentiu ofendido". Gretchen também citou seu filho, Thammy Miranda, um homem trans, para provar que não é homofóbica.

"É impressionante como as pessoas gostam de utilizar falas minhas para mudarem o sentido das coisas. Gente. Parem de ficar dramatizando um comentário bem-humorado e sem maldade. Está ficando difícil de se expressar no mundo de hoje", começou Gretchen.

"Para vocês mais jovens, cansei de fazer esse comentário há muitos anos e nunca nenhum gay se sentiu ofendido. Até porque é uma fala minha que eu me coloco exatamente no lugar de todos vocês."

"Por isso não aceito mais dar entrevistas, porque sempre aproveitam minhas falas para usarem de forma errada. Enfim, quem se sentiu ofendido, minhas desculpas."

Porém, comecem a enxergar a vida com leveza. Se a vida fosse vivida com mais leveza, muita gente não estaria por aí infeliz. Mas se tem gente que precisa desse tipo de coisa para sobreviver, tem aí motivos para isso. Sou mãe de um trans. E podem ter certeza. Conheço bem essa travessia até a chegada no pódio.

"Lamentável. Ainda ontem eu defendia essa rede social como uma das únicas que eram reais na forma de se expressar. Vejo que a maldade e o discurso de ódio agora também faz parte daqui", concluiu Gretchen.