PUBLICIDADE
Topo

'Fiz muito sexo, fui muito julgada e sofri horrores', diz Deborah Secco

Deborah Secco compartilhou foto - Reprodução/Instagram @dedesecco
Deborah Secco compartilhou foto Imagem: Reprodução/Instagram @dedesecco

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/05/2021 15h26Atualizada em 25/05/2021 11h08

Deborah Secco diz ter sido muito julgada tanto por decisões profissionais — como interpretar Raquel Pacheco, a Bruna Surfistinha — quanto por decisões pessoais em sua vida afetiva.

"Quando decidi fazer o 'Bruna Surfistinha', briguei com meu marido na época, com a minha mãe, com as minhas empresárias, com a minha família. Todo mundo era contra", contou em entrevista ao podcast "Prazer Renata", apresentado por Renata Ceribelli.

A minha irmã, quando fiz a capa da Playboy, eu lembro, ela fazia faculdade e escondia as revistas e botava outras revistas por cima para não ver a irmã dela na capa da Playboy. Talvez meus irmãos sejam muito diferentes de mim. Eu sempre fui muito julgada em casa e fora de casa. Deborah Secco à Renata Ceribelli

A atriz relembrou que iniciou sua vida pública ainda muito jovem, e que todo o julgamento lhe causou muito sofrimento.

"Queria muito ter uma família, então me apaixonava perdidamente. Me apaixonei muito. Vivi muitas paixões. Fiz muito sexo, fui muito julgada e sofri horrores por causa disso. Fui capa de revista como a destruidora de lares sem nunca ter feito nada com aquele casal específico. Sofri muito por causa disso", relatou.

A atriz, que é super aberta quando o assunto é sexo, ainda comentou a dificuldade que muitas mulheres sentem em se abrir sobre sexualidade:

"Sexo é uma coisa que todo mundo faz. A coisa mais incrível que eu fiz na minha vida foi sexo, que gerou um ser que nasceu, cresceu dentro de mim. Todo mundo que nasceu é fruto de sexo. Então me estranha muito que até hoje todo mundo que foi feito através de sexo, existiu através de sexo, procria através de sexo, não fale sobre sexo", opinou.

Até quando nós, mulheres, vamos ter que ficar oprimidas e acreditando que sexo só serve para procriarmos, sabe? Isso é muito opressor.