PUBLICIDADE
Topo

Apresentadora da BBC morre após se vacinar, diz família; caso é investigado

A apresentadora da BBC Radio Newscastle, Lisa Shaw - Reprodução/BBC
A apresentadora da BBC Radio Newscastle, Lisa Shaw Imagem: Reprodução/BBC

Do UOL, em São Paulo

27/05/2021 15h39Atualizada em 27/05/2021 17h19

A apresentadora da BBC Radio Newcastle, Lisa Shaw, morreu na semana passada aos 44 anos. A família da britânica aponta que ela teve coágulos sanguíneos após tomar a vacina da Oxford/AstraZeneca contra a covid-19. Cientistas já avaliaram que o risco de reações graves ao imunizante é raro.

Segundo a BBC, um legista irá investigar a causa da morte da apresentadora.

O jornal divulgou que teve acesso ao atestado de óbito provisório emitido pela legista sênior de Newcastle, Karen Dilks.

O documento confirma que uma investigação sobre a morte de Shaw será realizada e lista como consideração uma "complicação da vacinação contra a covid pela AstraZeneca".

Vale ressaltar que o documento não determina a causa da morte — que não será emitida até que a investigação seja concluída. Lisa não tinha nenhuma comorbidade.

Em comunicado, a família da apresentadora disse que ela "desenvolveu fortes dores de cabeça uma semana depois de receber sua vacina e ficou gravemente doente após alguns dias".

De acordo com os familiares, a apresentadora foi tratada para coágulos sanguíneos e sangramento na cabeça. "Tragicamente ela faleceu rodeada pela família. Estamos arrasados e sentiremos a falta dela para sempre."

A HRA (Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency), a agência reguladora britânica, já afirmou que os benefícios da vacina são muito superiores aos riscos.

O que diz a ciência sobre a vacina Oxford/AstraZeneca?

Em entrevista recente ao UOL, Renato Kfouri, diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), esclareceu que o efeitos adversos são extremamente raros de acontecer. "No universo dos milhões de doses que já foram aplicadas no mundo todo, os casos relatados foram poucos", afirmou o especialista.

Segundo ele, a trombose relatada após a aplicação da vacina é diferente da trombose clássica que conhecemos. "A vacina seria como um gatilho para uma doença autoimune, que a pessoa já possui, mas desconhece, e que provoca uma queda no número de plaquetas no sangue, aumentando o risco para o surgimento de trombos", explicou Renato.

Ou seja, enquanto a trombose clássica tem como uma das características a contagem alta no número de plaquetas (o que aumenta o risco de coágulos no organismo), a trombose no caso de quem tomou a vacina tem como característica uma queda no número de plaquetas.

O diretor da SBI ainda reforça que mesmo as pessoas que já tiveram trombose podem tomar a vacina, já que, pela natureza rara e diversa da reação, esses indivíduos não estariam mais predispostos ao problema.

"A segurança das vacinas contra o coronavírus é semelhante às outras vacinas com as quais estamos acostumados", afirma. "Sempre existem riscos, mas os benefícios, o número de mortes que serão evitadas, superam o número de eventos adversos relata