PUBLICIDADE
Topo

Bocardi descobre golpe no Pix e faz 'pegadinha': Vou levar o CPF à polícia

Rodrigo Bocardi conta como descobriu golpe do Pix no WhatsApp - Reprodução/TV Globo
Rodrigo Bocardi conta como descobriu golpe do Pix no WhatsApp Imagem: Reprodução/TV Globo

Do UOL, em São Paulo

15/06/2021 09h06Atualizada em 15/06/2021 09h06

O âncora do "Bom Dia São Paulo" Rodrigo Bocardi pregou uma pegadinha com um estelionatário que pedia dinheiro via Pix pelo WhatsApp do apresentador.

Ao conversar com Ana Paula Araújo sobre tentativas de golpe usando o aplicativo de mensagens, Bocardi contou que isso já aconteceu com ele.

Como o novo sistema permite transferências rápidas e gratuitas a qualquer dia e horário, as vítimas acabam não percebendo que era um golpe, como um contato clonado, e passam o dinheiro.

Só que o jornalista estava esperto e descobriu que a pessoa do outro lado era mal intencionada:

Ontem a noite me mandaram uma, eu disse: manda aí o Pix. Enviaram o valor R$ 2.680 e mais o CPF. Comecei aquele papo de manda o nome da sua mãe, quero ajudar — não tinha falado que era pra mãe, mas comecei, coitada, colocando a mãe na conversa — na hora que começa fazer um monte de pergunta, a pessoa fica desconfiada.

Bocardi ameaçou passar o contato para a polícia. O golpista apagou a conversa logo em seguida. O apresentador aconselhou fazer uma ligação com o contato original para verificar se é ele mesmo do outro lado.

Falei: 'beleza, esse CPF tá bonito e é para a polícia que vou levar, dá seu jeito aí'. Na hora apagou a mensagem, saiu correndo desesperado. Agora no Pix é só o CPF, manda nem nome.

Golpes com o contato no WhatsApp acontecem, geralmente, após alguém conseguir sequestrar (ou clonar) a conta de alguém no WhatsApp — como quando o golpista entra em contato e simula uma pesquisa ou atendimento e, depois de conquistar a confiança, pede a confirmação de um código enviado para o celular dela. Este código permite que o golpista acesse a conta.

Logo em seguida, o golpista manda mensagens para os contatos da primeira vítima, pedindo algum tipo de pagamento ou transferência.

A orientação de especialistas é: nunca realizar uma transferência a pedido sem antes conversar pessoalmente ou por chamada telefônica e desconfiar se o Pix estiver em nome de alguém que você não conhece.