PUBLICIDADE
Topo

Fátima responde críticas após errar a diferença entre transexual e travesti

Fátima Bernardes no "Encontro" - Reprodução / TV Globo
Fátima Bernardes no "Encontro" Imagem: Reprodução / TV Globo

Do UOL, em São Paulo

02/07/2021 12h28Atualizada em 02/07/2021 17h13

Fátima Bernardes aproveitou o "Encontro" de hoje para responder algumas críticas recebidas após comentar — erroneamente — a diferença entre transexuais e travestis.

No programa de ontem, a apresentadora e o psiquiatra Jairo Bouer respondiam perguntas a respeito da comunidade LGBTQIA+ quando concordaram que ser travesti poderia ser uma "manifestação artística".

Falei isso porque tive muita convivência com a Rogéria e ouvi várias vezes dela que ela não se via sempre como uma mulher, mas que a artista dela se manifestava como uma mulher e que ela se considerava a travesti da família brasileira. Começou se explicando Fátima Bernardes

Citando as queixas da comunidade LGBTQIA+ após a fala, ela ainda disse que foi procurar entender melhor os termos e explicou que "ambas se identificam com uma identidade feminina."

Eu fiquei muito feliz em ter tido essa oportunidade para aprender um pouco mais. Concluiu a apresentadora do "Encontro"

Nesta semana, o "Encontro com Fátima Bernardes" debateu temas relacionados à comunidade LGBTQIA+ em celebração ao Dia do Orgulho LGBTQIA+, comemorado na última segunda-feira (28).

Confira o pronunciamento de Fátima Bernardes na íntegra:

Quando ele [Jairo] respondia a dúvida de uma professora sobre a diferença entre travestis e transexuais, eu fiz uma observação de que a travesti poderia ser uma manifestação artística. Eu falei isso porque tive muita convivência com a Rogéria e ouvi várias vezes dela que ela não se via sempre como uma mulher, mas que a artista dela se manifestava como uma mulher e que ela se considerava a travesti da família brasileira.

Como o comentário gerou uma queixa na comunidade LGBTQIA+, eu fui tentar entender o que precisava ser dito e que não foi dito. Hoje, não se estabelece uma diferença visível entre uma travesti e uma mulher trans, ambas se identificam com uma identidade feminina em todos os momentos da vida, 24 horas por dia, em todas as suas atividades. É diferente daquela pessoa que se monta, que se veste de mulher para apresentar a sua arte, essas são as drag queens.

Eu fiquei muito feliz em ter tido essa oportunidade para aprender um pouco mais. Foi uma semana muito importante para nós aqui do 'Encontro', nós tratamos de vários aspectos e é muito importante para a gente tratar desse tema, tornar isso cada vez mais natural, sempre com respeito a todas as pessoas, independentemente da identidade de gênero, da orientação sexual delas. Eu gostaria de me colocar à disposição e dizer que vocês podem sempre contar comigo e com o 'Encontro.'