PUBLICIDADE
Topo

Felipe Neto: 'Se não sente ódio por Paulo Guedes, é desprezível como ele'

Felipe Neto criticou ministro da Economia por fala sobre aumento na conta de energia - Reprodução
Felipe Neto criticou ministro da Economia por fala sobre aumento na conta de energia Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

26/08/2021 13h12Atualizada em 26/08/2021 13h48

O youtuber e empresário Felipe Neto criticou o ministro da Economia Paulo Guedes, após o titular da pasta no governo Bolsonaro questionar "qual o problema" da energia "ficar um pouco mais cara porque choveu menos", mesmo que isso pesa no orçamento de famílias brasileiras.

A fala foi feita ontem no lançamento da Frente Parlamentar do Empreendedorismo. A afirmação irritou Felipe Neto, que cobrou um posicionamento dos seguidores.

Se você não sente ódio pelo Paulo Guedes, ou você é desinformado ou um ser humano desprezível como ele. Felipe Neto

Com a crise hídrica, que reduziu a quantidade de energia de hidroelétricas e, com uso de termoelétricas, cobra uma taxa adicional, a conta já estava cara. Desde janeiro, as tarifas para os consumidores residenciais subiram, em média, 7,15%.A tendência é de piora: cálculos preliminares da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apontam que as tarifas podem subir, em média, 16,68% em 2022.

Empreendedor, Felipe Neto é um crítico do governo de Jair Bolsonaro pelas pautas de valores, além de ser alvo de apoiadores. No ano passado, ele e o presidente foram os únicos brasileiros a serem destacados pela revista Times pela influência.

O youtuber já criticou a corrente do liberalismo — que defendia um limite da atuação do Estado, com pouca intervenção e fomento ao lucro e livre iniciativa — e do neoliberalismo — em que o Estado restringe amplamente sua responsabilidade social e deixa o mercado ditar a organização da vida.

Em junho, Felipe Neto sugeriu que seria um social-democrata, em que o estado age para garantir justiça social mesmo em meio ao capitalismo — sistema que pode gerar desigualdades — ao criticar os liberais.

No mesmo mês, o empresário disse que não doa todo seu dinheiro porque "ficou rico e não burro" e que a medida pouco ajudaria o país.

Gente, eu fiquei rico, eu não fiquei burro. Vira e mexe aparece um liberal assim, falando essas coisas pra mim: 'Ué, tu não critica o excessivo acúmulo de capital? Então por que você não doa tudo o que você tem?'. Porque eu fiquei rico, eu não fiquei estúpido. Eu doar tudo o que tenho não vai melhorar em nada! Nada! A minha crítica é ao sistema inteiro. Pior que isso é o pobre que defende o rico. É o pobre que fala assim: 'O certo é isso mesmo! Eu gosto de ser explorado pra alguém ser muito rico. Eu me amarro, fico 'felizasso'. Felipe Neto