PUBLICIDADE
Topo

Mamberti foi pró diversidade e contra preconceito estúpido, diz Scapin

Colaboração para TV e Famosos

03/09/2021 09h55Atualizada em 03/09/2021 12h30

O ator Cassio Scapin, que trabalhou com Sérgio Mamberti em algumas ocasiões incluindo em Castelo Rá Tim Bum, lembrou do amigo de longa data por suas contribuições às artes e política no Brasil. Mamberti morreu hoje, aos 82 anos, por falência múltipla dos órgãos, segundo um dos filhos dele.

"É uma tristeza para todos nós, é o meu tio Victor, o tio Victor de uma geração", lamentou Scapin em entrevista à apresentadora Fabíola Cidral, no UOL News."Foi um homem incrível, não podemos pensar no ator sem pensar no homem político. Trabalhou pelo desenvolvimento da cultura no país. Todos nós vamos sentir muita falta", afirmou.

O ator, diretor, produtor, autor, artista plástico vinha enfrentando problemas de saúde ao longo deste ano, com outras duas internações por disfunção renal e pneumonia.

O colega de castelo Rá Tim Bum destacou que o Mamberti foi "pai e mãe" para os três filhos após a morte da esposa. Recentemente, o ator e diretor tinha assumido publicamente ser bissexual. "O Serginho trabalhou pela diferença e diversidade, é prova viva de que essa balela de preconceito estúpido e idiota não é verdade", disse.

Scapin contou que falou rapidamente com o colega de profissão por telefone quando ele já estava doente. "Fiz uma resenha para o livro dele, falei que era quase uma declaração de amor. Ele foi para o hospital e ia visitá-lo quando retornou para casa, mas ele disse que queria ficar quietinho e voltou para o hospital", relatou.

Com a notícia da morte de Mamberti, Scapin disse que "o Brasil fica órfão". "É uma perda muito grande para a nação e para as artes", afirmou.

Biografia

Nascido em Santos, em 1939, Mamberti teve longa carreira no cinema, televisão e teatro. Um de seus personagens mais icônicos foi o de Dr. Victor, no programa infantil "Castelo Rá Tim Bum", sucesso da TV Cultura na década de 1990.

Irmão do também falecido ator Cláudio Mamberti, Sérgio deixa três filhos: o ator Duda Mamberti, o produtor Carlos Mamberti e o diretor de TV Fabrízio Mamberti.

Ao lançar sua autobiografia "Sérgio Mamberti: Senhor do Meu Tempo", recentemente, em abril, Sergio Mamberti falou abertamente sobre a bissexualidade e seus dois amores: Vivian Mahr, com quem foi casado de 1964 a 1980, e Ednardo Torquarto, com quem viveu uma relação de 37 anos, até a morte de Ednardo, em 2019.

"Sei que nunca vou me recuperar dessas duas perdas, mas a vida exige coragem e esperança para seguir em frente", escreveu ele ao contar dos amores vividos.

A importância de Sérgio Mamberti para a Cultura brasileira pode ser comprovada também pela obra. Entre muitos relatos, nomes consagrados, como Fernanda Montenegro, que assinou o prólogo do livro, e Gilberto Gil, que escreveu a orelha.

Morre o ator Sérgio Mamberti, relembre momentos da sua carreira

Na política

Sérgio Mamberti, filiado ao Partidos dos Trabalhadores (PT), ocupou diversos cargos dentro do Ministério da Cultura durante o Governo Lula. Ele foi Secretário de Música e Artes Cênicas, Secretário da Identidade e da Diversidade Cultural, Presidente da Fundação Nacional de Artes FUNARTE e Secretário de Políticas Culturais.

Sua atuação na política e seus posicionamentos sempre foram fortes. Ele se posicionou contrário ao processo de Impeachment de Dilma Rousseff e deu força para o movimento "Lula Livre".

Veja a participação de Sérgio Mamberti no 'Oi, Sumido: Castelo Rá-Tim-Bum'