Topo

Coluna

Leo Dias


Tati Zaqui: "Me pintam muito mais 'vida loka' do que realmente sou."

Tati Zaqui: "Me pintam muito mais "vida loka" do que realmente sou." - Divulgação Tati Zaqui
Tati Zaqui: "Me pintam muito mais 'vida loka' do que realmente sou." Imagem: Divulgação Tati Zaqui
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e apresentador do programa "Fofocalizando", do SBT. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

03/11/2019 07h00

A funkeira Tati Zaqui é conhecida por 'causar', principalmente quando o assunto é sensualidade, mas, apesar da fama, ela diz que não é tão 'vida loka' assim. "As pessoas me pintam muito mais do que eu realmente sou. Eu sou tranquila. Quase não saio.", conta a cantora, que revela que tem feito um pouco mais de loucuras, agora, que está solteira. "Namorei por muitos anos, e só de uns tempos para cá é que venho me aventurando um pouco mais, mas não sou tão aventureira assim. Transar, eu nem transo tanto, porque tá difícil. Mas quando acontece, transo também. O importante é viver, ser feliz e colecionar momentos.", diz ela.

Com um currículo de conquistas, que inclui o jogador Neymar e o surfista Gabriel Medina, Tati não se incomoda que falem da forma livre que vive. "Sempre vai ter gente comentando coisas negativas. Eu não ligo para o que essas pessoas falam. Mas se falam, se me afrontam, do tipo me xingando por eu ter postado uma foto sensual, aí é que eu dou motivo para falar mesmo. Não dá uma hora, eu posto outra ainda pior.", diz a funkeira, que revela que já chegou a sofrer com comentários maldosos. "Já sofri muito com isso, mas quando a gente vê que está fazendo um bom trabalho, sendo quem a gente é de verdade, seguimos fazendo o que a gente tem que fazer. Hoje, sou inabalável quando o assunto é mimimi dos outros.", conta.

Realmente, quando o assunto é trabalho, Zaqui não pode se queixar. Seu mais recente hit, em parceria com Dadá Boladão e Oik, a música 'Surtada', alcançou o topo do 'Viral 50' e do 'Top Brasil', no Spotify, onde já foi ouvida mais de 17 milhões de vezes. No YouTube, o desempenho do clipe da faixa é ainda maior: mais de 43 milhões de visualizações em pouco mais de um mês. "Tá todo mundo anestesiado ainda com todo esse sucesso. A gente trabalha tantos anos esperando a oportunidade de fazer um hit, mas, dessa vez, veio com força.", diz Tati, que viu seu primeiro grande sucesso, o funk Parara Tim bum, ser impedido de tocar por questões de direito autoral da melodia, inspirada em uma canção do filme 'Branca de Neve e os Sete Anões', da Disney. "A 'Parara Tim Bum' não chegou tão longe quanto eu imaginava e gostaria porque fomos impedidos de trabalhar ela, mas 'Surtada' vai chegar muito mais longe, a lugares que a gente nem imagina, porque essa união de brega, funk e trap, deu muito certo.", conta a funkeira.

As previsões de Tati Zaqui parecem já estar se confirmando, porque 'Surtada' tem sido destaque também em países como Uruguai, Paraguai e Portugal. Sobre uma possível investida no mercado internacional, a funkeira é cautelosa. "Eu sou muito pé no chão. Não sou de colocar muitas metas até para eu não me decepcionar e, também, poder ter surpresas. A gente que canta quer chegar o mais longe possível, mas o que tiver que acontecer, vai acontecer. Já fiz algumas turnês fora do país. Se tudo der certo, mais um pouquinho, estou indo para outros países.", diz ela, que já fez apresentações na Europa, no Japão e em países da América Latina, como Bolívia e Paraguai.

* Com reportagem de Geizon Paulo

Divulgação Tati Zaqui
Imagem: Divulgação Tati Zaqui

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Leo Dias