Topo

Coluna

Leo Dias


Glamour Garcia relembra transfobia de ex-maridos e festeja final em novela

Glamour Garcia  - João Cotta/Globo
Glamour Garcia Imagem: João Cotta/Globo
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

13/11/2019 18h37

Glamour Garcia recebeu recentemente uma homenagem de Reynaldo Gianecchini, seu colega em 'A Dona do Pedaço'. O ator disse na web o que muitos brasileiros pensam da atriz na reta final da trama: 'Você chegou devagarzinho e conquistou um espaço gigante'. Faltando poucos capítulos para encerrar mais um folhetim das 21h, não é exagero dizer que a atriz transexual se tornou um dos grandes destaques da trama de Walcyr Carrasco. Prova disso será o grande final que a personagem Britney, vivida por ela, terá. Para consagrar a atriz, um casamento - que promete ser emocionante com o português Abel (Pedro Carvalho -, mostra que Glamour conquistou espaço na novela, no horário nobre, e na torcida do público.

Ainda na correria de gravação, ela conversou com a Coluna do Leo Dias. A intérprete de Britney mostrou alegria a todo momento ao falar do sucesso da personagem, mas confessou que quer descansar um pouco após viver meses com ritmo intenso de gravação.

Aliás, o horário apertado diante de tantas cenas rodadas por dia e a exposição na mídia, chegaram a afetar o relacionamento de Glamour e do produtor de festas Gustavo Dagnese, mas tudo já foi superado e os dois seguem vivendo juntos no Rio. A atual relação cheia de cumplicidade está bem longe da trasnsfobia" que Glamour passou com ex-maridos. Ainda na entrevista, a atriz desabafa sobre o preconceito que já enfrentou até com amigos: "Já me decepcionei com pessoas, não só em relacionamentos amorosos. Hoje em dia, claro, não as tenho mais próximas porque esse tipo de transfobia velada é deselegante."

Leia a entrevista completa:

COLUNA DO LEO DIAS - Você se tornou um dos principais nomes da novela. Esperava esse sucesso?

GLAMOUR GARCIA - Honestamente não esperava. Fico muito feliz porque a obra é linda, o texto é incrível, as cenas são maravilhosas, a trama, dramaturgia... e ser um dos destaques dentro desse trabalho é uma honra para mim e alegria. Não é só um destaque positivo, mas construtivo também nesse momento que a gente vive no nosso país, na arte... É uma alegria imensurável.

Já tem planos para novos trabalhos? Já pintaram convites para filmes, peças e novelas?

Já pintaram convites para outros trabalhos mas eu confesso que estou analisando com bastante calma porque eu estou exausta. Como foi meu primeiro trabalho, na maior emissora do Brasil e no horário mais nobre de todos, isso fez com que minha vida se debruçasse sobre essa personagem. Minha personagem participa da trama diariamente, então minha vida ficou bem corrida. Então estou olhando com bastante calma pensando também nisso, um possível descanso que eu possa ter, mas é bem rápido. Em breve vou anunciar os próximos trabalhos

Se você fosse a autora da novela, qual seria o final que você escreveria para a Britney?

Nunca pensei num final para a Britney porque como atriz eu fui vivendo a história dela. Acho que o final que ela terá já é incrível, espero que o público se identifique. Eu como artista me identifiquei muito com essa personagem. Britney não é só uma personagem didática, mas encantadora.

Olhando para o seu passado, o que você diria pra você mesma ainda criança?

O que eu diria para mim mesma criança? Acho que diria o mesmo que já dizia naquela época: "Acredite, tenha força, luz e, acima de tudo: Menina, brilhe!"

Há alguma coisa na vida que te traga arrependimento? Alguma decisão?

A vida é uma série de erros e acertos. Eu não me arrependo de nada, tem momentos do passado que óbvio que olhamos com mais carinho, sensibilidade e desencadearam reações mais fortes e dramáticas mas não me arrependo de nada, não. Eu sou muito feliz, viveria tudo que vivi de novo. E agora estou nessa personagem tão linda, para mim é o maior presente de todos nessa vida.

Vivemos num país preconceituoso e transfóbico. Você mesma já chorou durante entrevista ao programa "Liberdade de gênero", no GNT, sobre amigas mortas por causa da transfobia. Como você conseguiu fugir dessa violência que atinge várias mulheres trans diariamente? Já evitou certo tipos de lugares por causa disso?

É natural da pessoa se defender, então, evitar lugares, companhias e, por mais polêmico que isso seja, evitar ambientes onde a agressão física pode acontecer. Nós vivemos num país muito preconceituoso e não é porque estamos praticamente em 2020 que as coisas mudaram. Então, eu ainda me sensibilizo muito com a luta LGBT diante da injustiça, violência e preconceito que cidadãos brasileiros ainda enfrentam

Você já sofreu transfobia? Como vê a aceitação da Britney na novela?

A Britney tem uma função muito didática mesmo, ela traz e expõe situações muito delicadas do dia a dia das pessoas trans. Eu acho que a Britney não trouxe só um espaço de discussão, mas de vivência também. Eu recebo mensagens de carinho não só da comunidade LGBT, são pessoas que chegam conversando sobre aceitação, que aceitaram os filhos e voltaram para casa... Não foi só uma personagem que trouxe discussão, houve uma mudança de vivência, as pessoas passaram a ter uma sensibilidade maior com a vida trans.

Você tem um namorado que posa orgulhoso ao seu lado. Como é este relacionamento? Como você contou a ele que era uma mulher trans?

Ele sempre soube que eu era trans. Já nos conhecemos com isso sendo um fato e nunca foi um impedimento, já nos conhecemos assim. Eu já era uma artista com alguma visibilidade e nos conhecíamos há alguns anos. Eu acredito que ele tenha muito orgulho, sim, não só de mim mas como do meu trabalho. Ele tem muito orgulho que eu seja uma artista trans que levante essa bandeira de forma bastante audível. Além disso, nunca sofri desrespeito de nenhum amigo dele, graças a Deus.

Há pouco tempo surgiram boatos que a relação de vocês enfrentava uma crise por causa do ciúmes dele. Isso é verdade? Como foi e como contornaram a situação?

Saíram algumas notícias bem maldosas de que ele teria ciúmes e até inveja, em momento nenhum eu senti isso. Mas, com certeza, o fato de eu ter me tornado uma pessoa pública mudou nosso dia a dia e privacidade e, é claro, a profissão em si, ser atriz, ator, um produto das novela das nove traz uma visibilidade muito específica. O público fica ouriçado com nossa vida, eu acho que essa falta de privacidade acabou nos abalando, não só a ele mas a mim também e o nosso relacionamento. Mas o Gustavo é uma pessoa boazinha, muito gentil comigo e tem sido muito amoroso, respeitoso e tem me ajudado a superar as adversidades e a florescer até chegar nesse momento. Sem ele eu não teria conseguido.

Saiu na imprensa que você não fez a cirurgia de redesignação sexual. Você quer fazer?

Tenho vontade sim de fazer a cirurgia de redesignação sexual. Mas é uma cirurgia muito delicada, ela prevê pós e pré bem específicos. Acho que negligenciar essas questões de saúde é negligenciar a própria vida. Então, eu estou esperando um momento mais tranquilo. Nessa onda toda de acontecimentos, estou aproveitando e me jogando na vida de braços abertos. Uma cirurgia agora, eu acho que fica bem delicado. Eu já fui mais presa nessa questão, hoje em dia me sinto livre e feliz, mas tenho esse sonho sim e espero realizar.

Você é uma mulher bem-sucedida, linda, bem resolvida e se estabeleceu na carreira. Que conselho daria para todas as mulheres (cis e trans)?

Conselho que dou para todas as outras mulheres é acreditar não só no seu potencial mas também no seu trabalho. Eu acho que integridade e dignidade vem para a gente quando realizamos, lutamos por nossos sonhos e tomamos atitude acreditando em si própria. Grande parte das vezes, a sociedade faz com que a gente, mulheres cis e trans, nos desvalorizemos. Eu acho isso injusto. A maior capacidade que uma mulher tem não é só de se empoderar mas de ter poder. Tenham fé, lutem, estudem, se dediquem porque o Brasil é das mulheres e sempre vai ser.

Sonha com o momento em que uma mulher trans fará uma personagem que não seja específico de uma trans? Acha que estamos perto de avançar nesse tema?

Já tive muitas oportunidades de ver artistas trans fazendo papéis de cis no teatro e cinema, mas na televisão essa discussão ainda parece muito jovem. Geralmente os personagens fortes chegam pela televisão ao grande público, eu acredito que em breve isso vai acontecer. Eu ainda sou uma artista muito próxima à causa trans, eu ainda acredito que no momento histórico que a gente vive, ter personagens trans vividos por pessoas trans não é só uma forma de reforçar ou de ser justa é a visibilidade acontecendo de uma forma real e honesta. Nesse momento, eu ainda vejo importância de nós artistas trans vivendo papéis de trans, principalmente, para grande massa

Assim como sua personagem, em algum momento alguém que estava afim de você se afastou quando soube que você era trans? Você se decepcionou? Como foi sua reação?

Nunca acabei passando por isso, mesmo nunca tendo isso como algo assumido, de certa forma nunca me arrisquei tanto assim. Mas já me decepcionei com pessoas, não só em relacionamentos amorosos. Já tive sim esse tipo de decepção com meus ex-maridos, mas também tive esse tipo de decepção com amigos, que é quando você percebe que a transfobia está enraizada. Transfobia é toda forma de desrespeito e desmoralização de uma pessoa trans. Infelizmente, já me decepcionei com muitas pessoas e até com quem eu considerava próximo. Hoje em dia, claro, não as tenho mais próximas porque esse tipo de transfobia velada é deselegante

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Leo Dias