PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Mulher do ministro Onyx Lorenzoni é acusada de dar calote em amiga

Amanda Oliveira foi convidada para o casamento de Denise Veberling e Onyx Lorenzoni - Arquivo pessoal
Amanda Oliveira foi convidada para o casamento de Denise Veberling e Onyx Lorenzoni Imagem: Arquivo pessoal
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

13/01/2020 11h44

"Devo não nego, pago quando puder" - ou quiser é um ditado popular que Denise Veberling, mulher do ministro-chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni, aparentemente, conhece bem. A assessora parlamentar, lotada no gabinete do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, está sendo cobrada na Justiça por ter dado calote na comissária de voo Amanda Oliveira, até, então, amiga de Denise.

Segundo Amanda, ela emprestou 10 mil reais à Denise, em março de 2016, para que a amiga comprasse uma bicicleta de triatlo, mas tem dificuldade até hoje para receber de volta o valor emprestado. De início, de acordo com a comissária, a mulher de Onyx Lorenzoni enrolou para pagar, mas depois começou a depositar em parcelas, que variavam entre 300 e 500 reais e eram pagas quando se podia. "Para pagar é uma enrolação. Ela não tem dia para pagar, não tem hora para depositar. É quando ela quer e quando ela pode. Eu tentei de todas as formas.", conta Amanda, que, cansada, decidiu resolver a questão judicialmente.

Ainda de acordo com Amanda, Denise alegava não ter condições financeiras para quitar a dívida, mesmo ganhando um bom salário como funcionária do Senado. "Ela começou a dizer que não tinha dinheiro, que passava miséria.", conta a comissária de voo. De acordo com o Portal da Transparência, Denise tem, desde 2016, um cargo comissionado no gabinete do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, onde desempenha a função de auxiliar parlamentar. No mês de dezembro, ela recebeu vencimentos brutos no valor de R$ 8.996,28 mais uma gratificação natalina de R$ 3.174,46.

Denise Veberling e Amanda Oliveira eram amigas próximas, mas amizade terminou por causa de dívida não paga - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Denise Veberling e Amanda Oliveira eram amigas próximas, mas amizade terminou por causa de dívida não paga
Imagem: Arquivo pessoal

Amanda e Denise eram amigas muito próximas. Elas se conheceram entre os anos de 2013 e 2014 na igreja Sara Nossa Terra, da Vila Planalto, em Brasília, e a amizade era tão íntima que Denise chegou a acompanhar Amanda no hospital durante o nascimento da segunda filha da comissária. As duas costumavam viajar juntas para o município de Rio Quente, em Goiás, e Amanda esteve no casamento de Denise com Onyx em novembro de 2018.

Segundo os advogados da comissária de voo, Mardson Costa e Flaviane Batista, ela está pleiteando o valor de 10 mil reais, acrescidos de juros e correção monetária. "Além disso, entramos com um pedido indenizatório de danos morais, haja vista o constrangimento que Denise causou à minha cliente", disse Mardson.

A Coluna Leo Dias procurou, insistentemente, Denise Veberling para ela dar sua versão dos fatos e explicar os motivos de arrolar a dívida por tanto tempo. Foram feitos contatos diretamente com Denise, com a filha dela, Melissa, com a Assessoria de Comunicação da Casa Civil e diretamente com o ministro Onyx Lorenzoni. A assessoria de Onyx, pelo Whatsapp, se limitou a dizer: "Meu caro, esse é um tema pessoal. Não tenho nenhum retorno para te dar. Se fosse algo institucional poderia buscar uma resposta."

* Com colaboração de Geizon Paulo

Leo Dias