PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Suzana Pires após bronca em Boca Rosa: 'Girl power preserva vidas'

Suzana Pires (à esq.) criticou Bianca Andrade por ser feminista apenas quando é conveniente para sua carreira - Montagem de fotos de reprodução/Instagram
Suzana Pires (à esq.) criticou Bianca Andrade por ser feminista apenas quando é conveniente para sua carreira Imagem: Montagem de fotos de reprodução/Instagram
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

04/02/2020 14h41

Suzana Pires já admitiu em diversas ocasiões seus privilégios por ter vindo da classe média, estudado em faculdade particular e ter feito cursos de idiomas. Por causa disso, a atriz, que esteve recentemente no elenco de Bom Sucesso, criou o Instituto "Dona de Si", que tem como objetivo inserir um maior número de mulheres no mercado de trabalho e capacitá-las, principalmente nas áreas em que são minoria. Empoderada, ela, que também é autora, expôs sua opinião nas redes sociais sobre o desdém que Bianca Andrade, no BBB, fez com o termo "girl power" (poder das mulheres, em inglês) e sugeriu que a influenciadora digital tem mostrado não ligar para os direitos femininos.

A atriz conversou com a Coluna Leo Dias sobre as falas de Bianca Andrade na casa mais vigiada do Brasil, empoderamento e seu Instituto. Suzana e Boca Rosa, como a blogueira é conhecida nas redes sociais, se conheceram em 2015 quando a sister participou da websérie que a autora fazia no site Gshow e, apesar da decepção com as falas da influenciadora digital no reality show, é só elogios para a jovem.

"Bianca é uma moça de muita batalha, doce e bela. Eu a respeito e por isso me coloquei à disposição para conversar com ela sobre feminismo e sororidade quando ela sair da casa. Eu sou aliada das mulheres e acredito na força da união feminina", explicou Suzana.

Suzana é fã do BBB, além de assistir ao programa como entretenimento, ela entende o reality como uma forma de entender o comportamento dos brasileiros.

"Discutir em rede nacional tais temas é de imenso valor. É entender a sociedade do nosso tempo onde racismo, assédio, violência contra a mulher, falta de inclusão, não são mais aceitos. Empatia, respeito e acolhimento são os valores brasileiros e isso o público está deixando bem claro. Eu amo o BBB por ser esse raio-x social. E o Boninho é um gênio, sabe fazer acontecer com excelência", elogia a atriz.

Com uma agenda cheia, Suzana sempre faz questão de arranjar tempo para ajudar outras mulheres. Já que ela se reconhece como privilegiada, a atriz quer levar suas influencias para aquelas que ainda não tiveram oportunidades em meio a uma sociedade ainda comandada por homens. Ela é apaixonada por seu instituto e o conceito de "poder das mulheres, o qual Bianca Andrade debochou, é levado a sério. Por isso, a revolta de Suzana.

"Levo com muita responsabilidade ser uma dona de si e isso não é somente uma #, é um Instituto (@institutodonadesi) em que acelero talentos femininos a conquistarem seus protagonismo. Meu compromisso com a defesa do poder feminino é na ação. Força feminina é minha ação diária! Já são dez milhões de mulheres impactadas, mais de mil mulheres aceleradas e que mudaram suas vidas e este ano, vamos dobrar esse número. Não posso deixar o #GirlPower ser mal interpretado ou se tornar algo bobo. Girl power preserva vidas", finaliza.

*Com colaboração de Lucas Pasin

Leo Dias