PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Leo Dias

Pagode e funk têm que aprender com os sertanejos como se cria um sucesso

Thiaguinho, Belo, Henrique, da dupla com Juliano, e MC Kekel - Montagem de fotos de reprodução/Instagram
Thiaguinho, Belo, Henrique, da dupla com Juliano, e MC Kekel Imagem: Montagem de fotos de reprodução/Instagram
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

12/03/2020 07h00

Não seja tolinho, caro leitor, por achar que uma música quando estoura nas plataformas digitais é pura e simplesmente porque ela é boa. Tem muito investimento por trás. E quando o assunto é investimento, ninguém barra a Work Show, que hoje é o maior escritório musical do país. Eles cuidam de Marilia Mendonça, Henrique e Juliano, Zé Neto e Cristiano e Maiara e Maraisa. Só nas plataformas, em média, uma música pede 100 mil reais de investimento. Henrique e Juliano lançaram recentemente, "Liberdade provisória", subiu ao topo como foguete e de lá não saiu mais.

Os sertanejos são muito mais profissionais na hora de lançar uma música. Como eles têm muito mais dinheiro, divulgação é simultânea na rádio, TV, internet e plataforma. Tudo ao mesmo tempo. Chega a custar R$ 700 mil por música.

Os outros ritmos ainda estão engatinhando. Pagode só investe mesmo em rádio. O funk foca na internet. Não da para comparar. Os sertanejos estão anos luz à frente dos outros ritmos.

E o resultado é simples. Um sertanejo iniciante tem um cachê em média de 100 a 150 mil reais. Um pagodeiro de anos e com credibilidade não chega a esse valor nunca. Os únicos pagodeiros que custam mais são Thiaguinho, Belo, Sorriso Maroto e Ferrugem. E só.

Entendeu, caro leitor, por que os sertanejos dominam a música nesse país?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Leo Dias