PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


O risco é alto quando uma música vira hit e faz mais sucesso que o artista

Neto LX, responsável pelo hit "Gordinho Gostoso" - Divulgação
Neto LX, responsável pelo hit 'Gordinho Gostoso' Imagem: Divulgação
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

16/03/2020 13h07

O sucesso é sempre bem-vindo? Depende. A maneira como se consome música mudou muito rapidamente. Permanecer no topo da parada por semanas é cada vez mais difícil. O tempo de duração de um sucesso está cada vez menor. E é neste ponto que os empresários de cantores têm tanto medo quando a música vira um mega hit.

O motivo é simples: o público lembrará da musica, não do artista. E aí, meu amigo, para emplacar um novo sucesso é algo quase impossível. E a carreira dele cairá no esquecimento.

Um novo comportamento do público consumidor é: pouco importa quem está cantando, se a música é boa, vira um sucesso instantâneo. Há exemplos surpreendentes, Se a canção agrada, ela vira hit em poucas horas. Sim, horas. Eu não estou exagerando.

Foi o que aconteceu esta semana. A cantora Clarissa Müller, no Twitter, publicou um trecho do hit 'Gaiola é troco', originalmente de MC Du Black. Pouco importa quem estava cantando, se era famosa, a versão agradou e viralizou. Mais de 1,6 milhões de visualizações na rede social em menos de uma semana, e foi o nome de Clarissa que estava lá.

E a nossa história recente, não faltam exemplos, de artistas que desapareceram, mas suas musicas ficaram pra sempre.

Em 2011, o hit "Foge Mulher Maravilha" tomou conta do país, por meio de um grupo estranho que se auto intitulava Liga da Justiça. Foi um 'boom', e com a mesma velocidade desapareceram.

E "Gordinho gostoso?" de um tal de Neto LX. Tudo bem que a música era um nada, mas viralizou.

No funk, então, esses casos são comuníssimos. É tanto MC que estoura do dia pra noite e desaparece. Talvez pela falta de qualidade vocal e grande deficiência com a Língua Portuguesa, ainda que seja a popular. Por isso, Kevin O Chris é o maior fenômeno dos últimos tempos no funk. Ele compõe e canta razoavelmente bem.

Enfim, o streaming mudou a forma de se fazer música. Tudo ficou muito mais descartável. Por isso, você, caro cantor, se sonha em um dia estourar nas paradas, reze para sua música não ser mais relevante que você.

Leo Dias