PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Ludmilla rompe com agência e assume parte publicitária de sua carreira

Ludmilla  - Divulgação
Ludmilla Imagem: Divulgação
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

03/04/2020 16h54

Focada em seu crescimento não só na música, Ludmilla rompeu com a agência Mynd, antiga responsável pela parte publicitária e comercial de sua carreira. A cantora e a empresa terminaram a relação de forma amigável. De agora em diante, a dona do hit 'Verdinha' ficará a frente desses setores.

Ludmilla abriu uma agência, a Hoje Music, na qual é sócia, e que faz parte do escritório de empresariamento e shows da cantora, a A3B Music. Com isso, Lud também ficará responsável por toda organização, projetos e campanhas do mercado que envolvam diretamente sua imagem.

"Tomar à frente da área comercial e publicitária de minha imagem será uma nova experiência para mim, um desafio, mas eu estou muito animada. Eu sempre tive meu olhar muito presente em todas as questões de minha carreira, sempre me envolvi muito, então esse será mais um passo nesse sentido. Vamos com tudo", disse a cantora com exclusividade à Coluna.

Em tempos de isolamento social, Ludmilla combinou com seu empresário, Alexandre Baptestini, que cachês referentes a dez apresentações fossem adiantados aos músicos para que eles não passem nenhum tipo de dificuldade financeira.

Esta foi a primeira iniciativa no mundo do funk num momento que os escritórios não sabem o que fazer com seus funcionários e, principalmente com colaboradores sem carteira assinada.

*Com colaboração de Lucas Pasin

Leo Dias