PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Leo Dias

Editora Globo entra em embate com sindicato após cortes de salários

Frederic Kachar, executivo do Grupo Globo - Reprodução
Frederic Kachar, executivo do Grupo Globo Imagem: Reprodução
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

27/04/2020 13h41

A Editora Globo e os sindicatos dos jornalistas do Rio, São Paulo e Brasília seguem em um imbróglio quanto à confecção de um acordo coletivo para a redução de 25% dos salários dos profissionais dos jornais O Globo, Extra, Valor Econômico e das revistas Vogue, Marie Claire, Quem, entre outras.

A medida se fez necessária, segundo a empresa, porque houve redução dos lucros com publicidade e edições impressas desde que a pandemia da Covid-19 começou, em março.

Na semana passada, quando a Editora Globo aderiu à Medida Provisória 936/2020, editada pelo presidente Jair Bolsonaro, funcionários foram convidados, por e-mail, a aceitar condições para o trabalho em home office: o termo regula que a empresa não teria obrigação de pagar por equipamentos e instalações dos funcionários (incluindo contas de luz, telefone e internet, serviços necessários para manter a rotina da redação funcionando mesmo em casa).

Também foram disponibilizadas os textos dos acordos individuais para a redução de salário e jornada de cada empregado, sem grandes esclarecimentos de como se dará a diminuição nos dias trabalhados. Um dos principais medos das equipes é que o corte dos rendimentos não seja acompanhado de uma real diminuição no volume de horas de expediente, cada vez mais extensos devido à cobertura da crise causada pelo novo coronavírus e do momento político brasileiro.

Mobilizados, os jornalistas da empresa recorreram aos sindicatos para tentar negociar com a editora. Houve um primeiro aceno positivo da empresa, que cedeu em pelo menos um dos pontos importantes para os jornalistas, mas até agora não houve fechamento de questão sobre o que será feito. Embora tenha concordado em manter todos os funcionários com plano de saúde ativo até o fim do ano, mesmo aqueles que venha demitir, o braço de publicações impressas do Grupo Globo está sendo irredutível quanto a aumentar o tempo de estabilidade garantido aos trabalhadores (foi prometido um semestre, mas os sindicatos pedem cerca de oito meses) e garantir o pagamento do benefício de vale-refeição com cálculo referente à jornada de trabalho cheia.

Há a preocupação entre os jornalistas de que a redução da jornada, sem garantias, justifique também um corte nos tíquetes alimentícios: trabalhando menos dias por mês (entre cinco ou seis), eles perderiam parte do valor total do benefício. O corte pode passar de R$ 100.

O prazo para assinatura dos acordos individuais acaba nesta segunda-feira (27) enquanto os sindicatos ainda buscam resposta da empresa para uma contraproposta feita pelos trabalhadores no fim de semana.

Não há, até agora, sinalização de que a empresa atenderá às reivindicações. Circula entre os jornalistas, além do descontentamento com o corte, o medo de que a não adesão ao contrato resulte em demissões ainda em maio.

A previsão, no entanto, é de que em outubro a redução de pessoal se torne iminente: é quando acabará a estabilidade realmente garantida pela empresa, que estará livre para promover demissões.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Leo Dias