PUBLICIDADE
Topo

Aos gritos, Ratinho usa programa no SBT para atacar críticos de Bolsonaro

O apresentador Ratinho discursa na abertura do seu programa no SBT em defesa do presidente Bolsonaro  - Reprodução
O apresentador Ratinho discursa na abertura do seu programa no SBT em defesa do presidente Bolsonaro Imagem: Reprodução
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

17/03/2020 11h47Atualizada em 17/03/2020 17h29

Sem explicar o motivo, o apresentador Ratinho abriu o seu programa nesta segunda-feira (16) com um discurso em defesa do presidente Jair Bolsonaro e um ataque aos críticos do governo.

O apresentador evitou o improviso, uma de suas marcas, e preferiu ler a mensagem. Embalado por trilha sonora dramática ao fundo, Ratinho alternou frases dirigidas ao espectador com outras em que parecia falar diretamente com Bolsonaro.

"Antes de começar o programa eu quero mandar um abraço pro meu pre... pro presidente da República, o presidente Bolsonaro", começou. "O presidente está resistindo bravamente a todas as armadilhas que colocam em seu caminho. Nunca vi a imprensa bater tanto num presidente como eu tenho visto", disse.

"Presidente, eu sei que é difícil mudar um estado corrompido, onde muitos políticos pensam mais em vantagem própria do que no Brasil", continuou. "Eu desejo sinceramente que o senhor persista na sua trajetória. As pessoas precisam entender que o presidente Bolsonaro foi eleito democraticamente, voto na urna. Goste ou não dele, ele é o presidente do Brasil. Ele tem o jeito dele, que deve ser respeitado."

Sem designar os alvos de seu protesto, Ratinho disse: "Esse pessoal que fica procurando picuinha, procurando pelo em ovo, querendo combater o nosso presidente... Vocês estão prejudicando o país". E também culpou, de forma genérica, "aproveitadores de ocasião" que "estão fazendo uma política cafajeste com o objetivo de enfraquecer o presidente".

Exaltado, o apresentador terminou o discurso aos gritos, com um palavrão: "É preciso reconhecer que o Brasil está melhorando. É hora de união. Respeite a vontade de quem elegeu Jair Bolsonaro presidente do Brasil. Respeitem! Vocês não falam tanto em respeito? Então respeitem o voto, porra!"

Procurei a assessoria de Ratinho e a do SBT para ouvi-los sobre o discurso. A emissora não respondeu. Em resposta à coluna, Ratinho disse que sua maior motivação para fazer o discurso foi "ver meu país crescer". Questionei o apresentador se ele pediu autorização ao SBT. "Não pedi autorização ao SBT porque nunca precisou. Tenho liberdade total no meu programa", disse.

Por fim, questionei Ratinho se ele acha correto usar um programa na TV aberta para fazer propaganda política. "Não estou fazendo propaganda. Estou expressando minha opinião, até porque não estamos em campanha".

Em 2019, Ratinho foi contratado pelo governo para defender a Reforma da Previdência em ações comerciais em seu programa. Segundo a Folha, recebeu R$ 915 mil por quatro testemunhais.

O filho do apresentador, Ratinho Jr. (PSD), governador do Paraná, é aliado político do presidente. Agora no início de março, ele foi o único governador presente na comitiva presidencial que viajou à Flórida, onde Bolsonaro se encontrou com o presidente Donald Trump.

Ao longo do ano passado, o quadro "Dois Dedos de Prosa" do "Programa do Ratinho" foi dedicado basicamente a entrevistas com figuras do círculo presidencial, incluindo o próprio Bolsonaro, seu filho Eduardo, os ministros Sergio Moro (Justiça) e Abraham Weintraub (Educação), além de aliados, como Luciano Hang e Magno Malta.

Em janeiro deste ano, Ratinho interrompeu as férias para gravar uma entrevista com Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura.

Mauricio Stycer