PUBLICIDADE
Topo

Gabriela Prioli cita constrangimento e sugere saída da CNN Brasil

Tomé Abduch interrompeu Gabriela Prioli diversas vezes durante o programa "Grande Debate", da CNN - Reprodução/Twitter
Tomé Abduch interrompeu Gabriela Prioli diversas vezes durante o programa 'Grande Debate', da CNN Imagem: Reprodução/Twitter
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

29/03/2020 12h18Atualizada em 29/03/2020 13h57

A advogada Gabriela Prioli, integrante do time de comentaristas da CNN Brasil, publicou na manhã deste domingo (29) uma mensagem no Instagram em que dá a entender que está deixando o canal.

Procurada, ela não respondeu. A CNN Brasil diz que não recebeu nenhum pedido de demissão.

Para os seus seguidores no Instagram e no Twitter, Gabriela disse: "O meu compromisso é com um debate racional, prospectivo, informativo e respeitoso. Não consigo atingir o meu objetivo se for constrangida e não posso seguir participando do debate sem que a convicção sobre a gravidade do constrangimento não seja só minha, mas de todos os envolvidos, na frente e atrás das câmeras."

Na última sexta-feira (27), Gabriela foi confrontada e interrompida pelo âncora Reinaldo Gottino mais de uma vez durante o quadro "O Grande Debate". "Não posso legitimar que o achismo seja equiparado ao conhecimento científico nem contribuir para acirrar a polarização", diz ela na nota em que parece anunciar a sua saída do canal de notícias.

No quadro, diário, Gabriela e um outro comentarista, com visão antagônica, debatem um assunto do momento. Inicialmente, os debates eram com o bacharel em direito Caio Coppola. Após o afastamento dele por problemas de saúde, a CNN escalou Tomé Abduch, porta-voz do movimento Nas Ruas.

A advogada vinha se destacando por seus comentários claros e técnicos em oposição à defesa apaixonada do governo feita por seu antagonista. Num dos debates que assisti, Abduch se referiu ao presidente Jair Bolsonaro como "grande líder".

Há duas semanas, comentando a sua estreia, Gabriela observou: "A melhor solução para quando a gente tem que enfrentar algo que repudia, é se fortalecer para não entrar no jogo. Me sinto muito amparada, não vou virar monstro e não vou ceder àquilo que repúdio e me igualar àquilo que repúdio".

"Surpreso e triste com tudo isso", diz Gottino

Procurado pela coluna, Reinaldo Gottino manifestou-se "surpreso e triste com tudo isso". Ele não quis comentar a mensagem publicada por Gabriela Prioli, dizendo que prefere aguardar uma nota que a CNN Brasil prometeu divulgar ainda neste domingo.

A discussão entre a comentarista e o apresentador, que causou polêmica na última sexta-feira (27), ocorreu após uma pergunta de Gottino sobre a saída da prisão do ex-deputado Eduardo Cunha. "Você acredita que a lei é branda". Gabriela respondeu que não estava no programa para dar a sua opinião, mas apenas argumentar com dados. Houve, então, uma discussão entre os dois.

Veja abaixo a mensagem da advogada:

"Queridos antigos e novos amigos, os últimos dois dias foram de muita reflexão.

Não é fácil ser firme no início de um projeto profissional, mas é impossível não me comportar segundo aquilo que eu defendo, apesar das possíveis consequências.

Eu digo a vocês, de forma reiterada, para se posicionarem, serem firmes e não cederem diante de comportamentos que vocês considerem inadequados. Se agora, quando a vida demanda isso de mim, eu agisse de outra forma, estaria sendo hipócrita.

Em mais de uma oportunidade tive que me posicionar cobrando respeito ao meu espaço de fala. É preciso ser mais contundente.

O meu compromisso é com um debate racional, prospectivo, informativo e respeitoso. Não consigo atingir o meu objetivo se for constrangida e não posso seguir participando do debate sem que a convicção sobre a gravidade do constrangimento não seja só minha, mas de todos os envolvidos, na frente e atrás das câmeras.

Não posso legitimar que o achismo seja equiparado ao conhecimento científico nem contribuir para acirrar a polarização.

Seguirei, por enquanto, dividindo com vocês as minhas análises nas minhas redes e pensando em outras formas para podermos interagir e evoluir com qualidade. Nessas últimas duas semanas o nosso grupo cresceu e isso me traz profunda satisfação. O meu maior prazer é essa troca que tenho com vocês.

Fica aqui então o meu muito obrigada. Nos posicionar é a forma que nós temos de conscientizar o mundo daquilo que nós consideramos fundamental."

Mauricio Stycer