Coluna

Ricardo Feltrin

Simba contrata ex-presidente da Sky para retomar negociação com operadoras

Divulgação
Silvio Santos (SBT), Edir Macedo (Record) e Marcelo Carvalho e Amilcare Dallevo, da Rede TV!, que formam a Simba Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

23/05/2017 09h50Atualizada em 23/05/2017 10h02

Ricardo Miranda Silva, ex-presidente da Sky, foi contratado pela joint-venture Simba, que representa Record, SBT e RedeTV!

Conforme esta coluna antecipou no último dia 15, a contratação de alguém ligado ao setor era dada como certa --uma tentativa da Simba de retomada de diálogo com as operadoras, interrompido nas últimas semanas.

O CEO da Simba, Marco Gonçalves, é oriundo do setor bancário e não tinha experiência no setor. Ele será mantido no cargo, porém deve ficar fora das negociações diretas.

Miranda Silva será o novo “consultor de negociação. Ele trabalhou na Sky entre o final dos anos 90 e início dos 2000.

A Simba trava um embate corporativo que culminou no corte dos sinais das três emissoras abertas da TV por assinatura nas maiores operadoras em São Paulo e Distrito Federal.

Com isso a audiência das TVs desabou de 10% a 40%, dependendo do horário. Apesar de uma breve recuperação (muita gente comprando antenas digitais ou instalando antenas coletivas de prédios e condomínios), a perda de público para as TVs ainda é relevante.

A Simba começou a negociação exigindo ser remunerada pela cessão dos sinais digitais das três TVs que ela representa. As operadoras, porém, disseram não e estão, aparentemente, irredutíveis.

A joint-venture então radicalizou e cortou os sinais. A Simba cometeu dois grandes erros: depois de não admitir que passou quase 25 anos ignorando completamente a TV paga no Brasil, decidiu cortar os sinais em meio à negociação e perdeu um público de maior poder aquisitivo.

@feltrinoficial 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo