Topo

Coluna

Ricardo Feltrin

Se ficar sem Disney, SBT pode esticar "Bom Dia & Cia" de Silvia Abravanel

Gabriel Cardoso/SBT
Silvia Abravanel no cenário do "Bom Dia & Cia.", programa exibido pelo SBT há 25 anos Imagem: Gabriel Cardoso/SBT
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

12/08/2018 13h05

Uma coisa é certa no SBT: com ou sem renovação do acordo com a Disney, a emissora continuará a ser a que mais investe em programação infanto-juvenil na TV aberta brasileira.

O contrato de três anos do SBT com a Disney vence no próximo dia 30.

As duas partes estão em negociação há meses, mas até a publicação deste texto não havia um acordo de renovação --que é um interesse mútuo.

O acordo é comandado diretamente por Silvio Santos e apenas mais um executivo da casa.

Embora tenha colocado seu departamento de jornalismo em alerta para que seja apto a ocupar mais espaço na grade, caso o contrato não seja renovado, Silvio já decidiu que atrações infantis ainda são e serão a prioridade da casa.

Por isso entre as alternativas --sem Disney-- está dar mais espaço --ao menos uma hora diária-- ao “Bom Dia & Cia.” de Silvia Abravanel.

Além da participação ativa do telespectador mirim, o “Bom Dia”  tem desenhos ótimos em seu portfólio, como “As Meninas Superpoderosas” , “Tom & Jerry”, “Masha e o Urso”, “Scooby Doo” e “Bob Esponja”, entre outros.

A audiência do "Bom Dia" vem surpreendendo: no mês passado fechou em SP com 7,7 pontos em audiência --tecnicamente à frente até de Fátima Bernardes na Globo (7,69). Cada ponto em SP vale por cerca de 72 mil domicílios.

Aos domingos, se ficar sem a programação da Disney, o SBT também pode aumentar o “Domingo Legal” de Portiolli.

SBT SOZINHO

Até cerca de quatro anos atrás boa parte das TVs abertas ainda investia em desenhos e seriados infantis.

Pressionadas pelo excesso de restrições à publicidade de produtos ligados às crianças, quase todas as emissoras desistiram desse nicho, exceto o SBT.

A emissora de Silvio Santos não só manteve generoso espaço para jovens em sua grade, como ainda o aumentou --inclusive alçando-o ao horário nobre.

A aposta deu certo em audiência. Também segue um rumo firme, financeiramente falando.

O SBT tem hoje no mercado inúmeros produtos licenciados a partir de suas novelas, como “Carrossel”, “As Aventuras de Poliana” etc, que também viraram obras para o cinema.

REVISTA ELETRÔNICA

Embora alguns planos e projetos surjam e desapareçam com frequência no SBT, Silvio Santos também cogitou lançar nas manhãs da emissora uma espécie de revista eletrônica, nos moldes do "Good Morning America", exibido desde 1975 pela rede norte-americana ABC.

Seria uma atração baseada em jornalismo, convidados e entretenimento.  

O repórter Daniel Adjuto, sucesso entre telespectadoras, chegou a ser cogitado como um dos possíveis integrantes da "revista"

LEIA MAIS

Ainda sem acordo com Disney, SBT põe jornalismo e Portiolli em alerta

Fátima? Ana Maria? Não, Rebeca é mulher com maior ibope na TV aberta

(per) Siga o colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!