Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


Política de "merchan" em Esportes da Globo causa dúvidas e queixas

Logotipo de anunciante no cenário virtual do  "Esporte Espetacular"; âncoras recebem comissão;equipe, não - Reprodução da TV
Logotipo de anunciante no cenário virtual do "Esporte Espetacular"; âncoras recebem comissão;equipe, não Imagem: Reprodução da TV
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

12/01/2019 07h20

A nova política da Globo, que há poucos meses passou a permitir que apresentadores e jornalistas esportivos façam "merchandising" na programação ainda está em fase de adaptação.

Após mais de dois anos entre a gestação do projeto e sua implantação, a permissão abriu possibilidade de renda extra e comercial para âncoras de programas esportivos ou equipe que cobre eventos ao vivo.

Isso ocorreu apenas porque, cerca de dois anos atrás, a direção da Globo decidiu separar  Esportes do Jornalismo.

 Até então nenhuma dessas áreas podia fazer propaganda ou merchandising de qualquer produto. Para o Jornalismo tradicional, a proibição continua.

Só que nem todos estão satisfeitos. A coluna recebeu mensagens queixosas de funcionários técnicos da equipe de Esportes da Globo: gente que trabalha atrás das câmeras.

O que esses funcionários reivindicam é ter direito a uma fatia do merchadising das produções que forem ao ar tambem.

Na visão deles, se o departamento de Esportes da Globo pode fazer propaganda e "merchan", até mesmo em reportagens, por que eles não podem ter direito a receber um quinhão?

Leia mais

Opinião: Globo chuta a porta em nova política de merchan esportivo

Julho de 2017: Globo vai liberar equipe esportiva para fazer comercial

Um exemplo, já dado por esta coluna em dezembro: uma equipe vai cobrir uma matéria para o "Esporte Espetacular".

 A matéria em questão é mostrar a seleção de rúgbi feminino patrocinada pelo Bradesco. Durante uns 12 minutos da longa reportagem (paga) o logotipo do Bradesco permanece no ar.

Voltamos aos queixosas: ora, foi um câmera que teve colocar o equipamento num determinado ângulo para que o logo do banco ficasse no vídeo; e foram editores de arte e seus assistentes quem colocaram o logotipo no cenário virtual do programa.

Nesses casos a "análise" dos queixosos da Globo é simples: "nós não estamos fazendo só jornalismo e cobrindo esportes; estamos trabalhando também para a Publicidade da Globo. E queremos ter direito ao mesmo que os demais".

OUTRO LADO

A Globo informa que o "merchandising esportivo" "ainda é um assunto em evolução; ou seja, que a unidade de Esportes do Grupo Globo vem avançando nessa frente com definições ainda em andamento".

Em outras palavras, "merchan esportivo" ainda é um território novo até mesmo para a emissora, e ela precisará de tempo para solidificar essa política.

Colunista Ricardo Feltrin no TwitterFacebook e site Ooops