PUBLICIDADE
Topo

Renúncia de Moro dá a canais de notícia recorde histórico de ibope

Sergio Moro faz pronunciamento, se demite e acusa Bolsonaro - Sérgio Lima/Poder 360
Sergio Moro faz pronunciamento, se demite e acusa Bolsonaro Imagem: Sérgio Lima/Poder 360
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

25/04/2020 11h34

A crise que se instalou no governo federal levou os dois maiores canais pagos de notícia do país, GloboNews e CNN Brasil, a registrar seus maiores índices de audiência.

Dados prévios e nacionais, mensurados pela Kantar Ibope Media, e obtidos com exclusividade pela coluna, mostram que ontem, entre 6h e 0h, esses dois canais dispararam no alcance de público no Brasil.

A GloboNews teve média de 2,3 pontos e 4,3% de share (participação no universo de TVs ligadas no país).

É o maior índice médio já alcançado pela emissora em mais de duas décadas.

A jovem CNN Brasil, com pouco mais de um mês de vida, também bateu seu recorde médio: 1,2 ponto e 2,2% de share (mais de 2 em cada 100 aparelhos com TV paga sintonizados).

Para comparação, a CNN registrou mais que o dobro do ibope obtido no mesmo horário pela RedeTV, que é canal aberto. Seu maior ibope até então havia ocorrido em 22 de março (0,72).

Já a GloboNews ontem, com seus 2,3 pontos de ibope, deu mais do que a Band obteve de média em todo o ano passado, por exemplo (1,5 ponto).

Os outros dois canais de notícia da TV paga também cresceram, mas de forma muito mais modesta: a BandNews e a RecordNews fecharam o dia com o mesmo índice: 0,2 ponto e 0,4% de share (lembrando que RecordNews é também um canal aberto em UHF).

Cada ponto nessa medição, chamada PayTV-PNT, equivale a cerca de 100 mil domicílios sintonizados nas 15 maiores regiões metropolitanas.

Os canais pagos, de forma geral, têm se beneficiado muito com o confinamento da população devido à pandemia de coronavírus, como esta coluna antecipou.

Ibope na TV, mas furo do jornal

As condições para o recorde da TV paga na verdade se deram graças a outro veículo: na quinta-feira o repórter Leandro Colon, da Folha, publicou com exclusividade que Moro havia decidido se demitir.

O motivo da renúncia ao cargo era que o presidente Jair Bolsonaro havia feito uma intervenção em sua pasta: Bolsonaro decidiu trocar o comandante da Polícia Federal.

A notícia causou um verdadeiro "terremoto" em Brasília. No início da manhã de ontem, Moro anunciou a coletiva que confirmaria o furo jornalístico da Folha.

Os desdobramentos, com o discurso de Bolsonaro no final da tarde, levaram ao recorde dos canais noticiosos.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

Ricardo Feltrin