Topo

Televisão

Em 48 horas, dois apresentadores perdem emprego por racismo e homofobia

Montagem/UOL
Fábio Araújo, da TV Tambaú, e William Waack, da Globo, perderam o emprego por declarações preconceituosas Imagem: Montagem/UOL

Do UOL, em São Paulo

22/12/2017 13h33

Dois apresentadores perderam o emprego nas últimas 48 horas por declarações racistas e homofóbicas. Na quarta-feira (20), Fábio Araújo, da TV Tambaú --afiliada do SBT na Paraíba--, fez chacota de Pabllo Vittar e foi suspenso. William Waack, que em novembro havia perdido o posto de âncora do "Jornal da Globo" após chamar um buzinaço de "coisa de preto", foi demitido nesta sexta.

Nos dois casos, Tambaú e Globo agiram rapidamente e tiraram os dois apresentadores do ar, reforçando o repúdio a declarações preconceituosas de seus funcionários.

Fábio Araújo ridicularizou Pabllo Vittar durante o "Tambaú Notícias - 1ª Edição". Ao apoiar o cantor brega Falcão, que chamou a drag de "criatura que canta mais ruim" do que ele, o apresentador tocou a música "Holiday Foi Muito" e apontou aos risos para Pabllo quando Falcão cantou "Homem é homem, menino é menino, macaco é macaco e viado é viado".

A resposta da Tambaú foi lida ao vivo: "O apresentador teve um posicionamento que não condiz com os valores defendidos pela RTC. Em respeito ao ser humano, independentemente de crença, classe, etnia, gênero e/ou orientação sexual. "Informamos ainda que foram tomadas medidas administrativas para que tal fato não volte a ocorrer. Dessa forma, pedimos desculpas aos nossos internautas e telespectadores e todos aqueles que se sentiram desrespeitados por tal atitude as nossas sinceras desculpas".

Nesta sexta, a Globo anunciou a saída definitiva de Wacck após ter reclamado de um motorista buzinando em frente à Casa Branca, durante a cobertura da vitória de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos, em 8 de novembro. "É preto, né? É coisa de preto, com certeza", comentou, prestes a entrar no ar, ao jornalista e diretor do Wilson Center, Paulo Sotero.

O vídeo viralizou, e Waack foi afastado do "Jornal da Globo". Renata Lo Prete, que o substituiu no período, assume definitivamente a bancada do telejornal. Heraldo Pereira, comentarista do "JG", também foi promovido e apresentará o "Jornal das 10" no canal pago GloboNews.

No anúncio da demissão de Waack, divulgado nesta sexta, a Globo ressaltou que não tolera "racismo em todas as usas formas e manifestações", embora o jornalista negue ter agido de forma preconceituosa.

"Em relação ao vídeo que circulou na internet a partir do dia 8 de novembro de 2017, William Waack reitera que nem ali nem em nenhum outro momento de sua vida teve o objetivo de protagonizar ofensas raciais. Repudia de forma absoluta o racismo, nunca compactuou com esse sentimento abjeto e sempre lutou por uma sociedade inclusiva e que respeite as diferenças. Pede desculpas a quem se sentiu ofendido, pois todos merecem o seu respeito. A TV Globo e o jornalista decidiram que o melhor caminho a seguir é o encerramento consensual do contrato de prestação de serviços que mantinham. A TV Globo reafirma seu repúdio ao racismo em todas as suas formas e manifestações. E reitera a excelência profissional de Waack e a imensa contribuição dele ao jornalismo da TV Globo e ao brasileiro. E a ele agradece os anos de colaboração."

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!