Topo

Televisão

Repórter demitida pela Globo elogia emissora, mas relembra casos de racismo

Reprodução/TV Globo
A repórter Camila Silva cobriu o incêndio que provocou o desabamento de um edifício no centro de São Paulo, em maio Imagem: Reprodução/TV Globo

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

22/11/2018 04h00

Camila Silva, uma das poucas repórteres negras da Globo, foi dispensada e encerrou sua trajetória de oito anos na emissora. A jornalista, que passou pelo canal pago GloboNews e pelo esporte, trabalhava desde maio nas madrugadas para os telejornais "Hora 1", "Bom Dia SP" e "Bom Dia Brasil". Desempregada há três semanas, ela tenta entender os motivos da demissão.

"Fui dispensada na quarta-feira, dia 7, com a explicação de que me esforcei mas que o esporte não está na minha veia e que toda vez que falo disso parece que tenho um 'gap'. Essas foram as palavras. Cada um enxerga as coisas de um jeito. Pode parecer arrogância, mas prefiro os comentários de quem gosta do meu trabalho e que sempre diz que assistia ao programa por causa das minhas reportagens", analisa Camila Silva ao UOL, em sua primeira entrevista após sair da Globo.

A jornalista trabalhou durante dois anos no esporte da Globo, área da qual ela não tinha intimidade mas adquiriu experiência em um programa sobre os Jogos Olímpicos do Rio para a Globo Internacional. Foi indicada para substituir Natalie Gedra --atualmente na ESPN-- por ter um texto leve e descontraído, diferente do padrão "quadrado" dos "medalhões" da casa, porém recebia elogios do público e críticas internas.

"Dediquei-me a trazer uma narrativa jornalística diferente, mais documental às vezes, focada em comportamento e humanização de personagens. Muitas matérias foram elogiadas, guardo os e-mails. Muita gente não gostava do meu estilo, do meu olhar distanciado. Foi meio cansativo ter que adequar um olhar mais livre para outro mais viciado, que já tinha na redação de esporte. Sofri muito porque as pessoas não entendiam meus roteiros, criticavam, queria a 'boleira' que nunca existiu", afirma.

Reprodução/Globo
Repórter Camila Silva Imagem: Reprodução/Globo
Apesar da demissão, Camila agradece à Globo, onde começou como estagiária, por todas as oportunidades: "É um ótimo lugar para se trabalhar e fazer amigos. Aconselho a meninos e meninas estagiarem, trabalharem lá porque tem uma estrutura, te dá estabilidade e, sinceramente, percebo um esforço descomunal para ter um impacto positivo na sociedade e nas agendas atuais --com o feminismo, contra o machismo e o racismo".

Jornalismo de madrugada

Após ser "escanteada" pelo esporte, Camila Silva trabalhou durante seis meses no jornalismo de madrugada. Na estreia, cobriu o prédio ocupado por movimentos de luta por moradia que pegou fogo e desabou no centro de São Paulo, no primeiro dia de maio. Em sua rápida passagem pelo jornalismo da Globo, a jornalista carioca de 30 anos acumula alguns momentos engraçados --como quando chamou um homem de 45 anos de "senhor"-- e vitórias nas reportagens cotidianas.

"Salvei um senhor em situação de rua. Isso para mim já valeu mil vezes ter vindo para São Paulo e passar por tudo o que passei. Também demos um jeito na calamidade da saúde em Guarulhos, no SAMU. Estar no jornalismo local te dá essa abertura e oportunidade de estar perto das pessoas", comemora.

Camila Silva revela que não conseguiria seguir na madrugada por mais tempo por questões médicas: "Nesse horário eu nem tinha como continuar. Tenho um problema crônico no pulmão que piorou nesse inverno dos últimos seis meses. Já estava pensando dar mais valor a minha saúde".

Reprodução/Sportv
A repórter Camila Silva participou do programa "Bem, Amigos!" em janeiro de 2018 Imagem: Reprodução/Sportv

Preconceito

Além do estilo descolado, Camila Silva chamou a atenção por ser uma das raras repórteres negras da TV --na Globo de São Paulo, a única é Mariana Aldano. A discriminação pela cor da pele e pelo gênero atrapalharam a jornalista na vida e na profissão. Em muitas ocasiões, no esporte, era testada para saber se entendia de futebol. Ela relembra alguns casos de preconceito.

Quando fui trabalhar na madrugada, um cinegrafista muito amigo meu perguntou: 'Vão te colocar na madrugada? Essa gente está maluca? De noite, como vão fazer para trabalhar a luz com você?'. A preocupação dele era que eu era negra e que eu não ia aparecer. Obviamente deu tudo certo, mas quando ele falou pensei: 'O que as pessoas acham que eu sou? Eu sou só negra', mas estamos interiorizados com a história de as pessoas que trabalham no vídeo serem brancas.

No Rio, um cinegrafista falou para mim: 'Você é muito bonita, eu já te vi no vídeo, você trabalha muito bem, tem feito coisas muito boas. Você só deveria fazer uma chapinha nesse cabelo, né?'. A gente fica até sem palavras. As pessoas são ruins? Não acho isso. Mas elas têm isso interiorizado e nem se dão conta.

Eu era a única mulher durante uma coletiva de imprensa do Corinthians. Dois homens começaram a brigar e um falou: 'O que foi? Está naqueles dias? Está de 'chico' [apelido para menstruação]? Está assim, parecendo mulherzinha?'. Eu falei: 'Vocês estão com algum problema psicológico? Porque esse comentário não faz o menor sentido'. As pessoas nem fazem ideia do quão preconceituosas elas podem ser com mulheres.

A jornalista admite ter sido difícil mostrar o racismo e o machismo embutidos nas falas de colegas porque temia ser tachada de "chata" e "politicamente correta", mas reconhece a importância de abrir um pouco a mentalidade preconceituosa.

"Na época do 'Mexeu com uma, mexeu com todas' [campanha de atrizes da Globo após uma figurinista ter denunciado José Mayer por assédio], havia gente na redação que fazia piadas. A pessoa não percebe que é machista! Mas para não ficar como a chata, a gente fala: 'Tem certeza de que você pensa assim? E se fosse com alguém?' Tentamos achar alguns meios para que aquilo não fique tão pesado no dia a dia", recorda.

Camila Silva está editando dois documentários (um sobre mulheres que viajam sozinhas e outro sobre "townships", cidades da África do Sul criadas na época do apartheid) e planeja escrever um livro com textos dedicados à mãe, que morreu há dez anos. "Vou batalhar pelo sonho de escrever mais para os outros", deseja.