Topo

"Se alguém achar meu Instagram me avisa", brinca Caique Aguiar

Reprodução/Facebook
Caique Aguiar é entrevistado por Flávia Viana nas redes sociais Imagem: Reprodução/Facebook

Manoela Ferreira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/12/2018 14h30

Na tarde desta sexta-feira (14), Caique Aguiar foi entrevistado por Flávia Viana nas redes sociais da RecordTV. No bate-papo, o terceiro colocado de "A Fazenda 10" falou sobre suas redes sociais e novamente defendeu a sua postura na briga com Nadja Pessoa.

"Se alguém achar meu Instagram me avisa, que eu também não encontrei não", brincou, aos risos. Questionado sobre as pessoas que denunciaram seu perfil, ele disse: "Eu não tenho que achar nada sobre essas pessoas, se alguém pensa negativo assim, eu não tenho que achar nada, não desejo mal, mas também não desejo o bem. Desejo boa sorte para quem fez isso".

O personal trainer afirmou que sempre teve uma esperança de chegar na final do reality: "Eu lembro que eu saí da minha casa brincando, chorando e falei para os meus pais: 'Até dezembro'. Mas você nunca tem aquela certeza. Você chega lá e vê: 'Aquilo que eu imaginava não tem nada a ver'".

"Eu acho que eu tenho total mérito de ter ido para uma final sem passar por uma roça. Quem não gostaria, dentro do jogo, de ganhar todas as provas?", questionou o peão, ao ser confrontado sobre a desaprovação popular. Mais cedo, Caique foi irônico e agradeceu "a grande população que votou" nele.

Briga com Nadja Pessoa

Mais uma vez, Caique defendeu a sua conduta durante a briga com Nadja Pessoa, que acabou com a expulsão da empresária do programa. Ele primeiro relatou sua visão de como os fatos ocorreram e depois falou de sua relação com as mulheres.

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

"Quando começou a briga eu entrei no quarto pra trocar a minha camisa. Ela começou a me ofender. Eu sou o tipo de pessoa, quando eu gosto de alguém e a pessoa fala mal de mim ou quer brigar comigo, eu quero ouvir o que ela tem pra falar. Em nenhum momento eu a ofendi, a agredi ou insinuei que faria algo parecido. Ela me agrediu, jogou água, creme", descreveu o lutador de jiu-jitsu.

Caique também comentou o respeito que tem pelas mulheres: "Eu moro com duas mulheres, tive uma educação maravilhosa de como tratar as mulheres. Não só as mulheres como o ser humano, eu sempre respeitei a todos e eu sou homem sim. Eu não seria homem se eu a agredisse de volta. Eu não imaginei que chegaria a esse ponto, até porque ela sabe do carinho que eu tinha por ela. Aconteceram brigas dela com outas pessoas muito piores. Imaginar que ela perderia a cabeça a esse ponto, não imaginaria".

"Eu tenho a minha consciência tranquila de todas as minhas ações, algumas pessoas dizem que acham que eu errei por estar insistindo depois de uma primeira agressão. Me arrepender eu não me arrependo, tenho consciência da postura. Se após a primeira agressão eu pudesse sair, eu até sairia. Mas eu não fiz nada", concluiu.