Topo

Televisão


Pai de seis filhos, Ricardo Boechat começou no jornalismo na década de 70

Datena anuncia ao vivo morte de Ricardo Boechat

UOL Entretenimento

Carolina Farias e Ana Cora Lima

Do UOL, no Rio

2019-02-11T14:02:06

11/02/2019 14h02

Ricardo Eugênio Boechat, 66, morreu nesta segunda-feira (11) em um acidente de helicóptero, em São Paulo.

Ele era casado pela segunda vez com Veruska Seibel, de 46 anos, desde 2005, e tinha duas filhas com ela: Valentina, 12, e Catarina, 10. Ele deixa outros quatro filhos: Bia, 40, Rafael, 38, Paula, 36, e Patricia, 29, frutos do casamento com Claudia Costa de Andrade.

Nascido em Buenos Aires, ele era filho da argentina Mercedes Carrascal, de 86 anos, que vive em Niterói desde 1956. O seu pai Dalton era diplomata e estava a serviço no país vizinho.

Uma publicação compartilhada por Ricardo Boechat (@boechatreal) em

Em 2015, Boechat revelou ter depressão. Ele falou da doença durante um dos seus programas diários. "A depressão não escolhe vítimas por seu grau de instrução ou situação econômica. Castiga sem piedade e da mesma forma pobres e ricos, anônimos e famosos."

Jornalista premiado

Foi como repórter do extinto jornal "Diário de Notícias" que iniciou sua carreira, na década de 1970. Em 1983, foi para o jornal "O Globo" e, quatro anos mais tarde, chegou a ocupar a secretaria de Comunicação Social no governo Moreira Franco, mas voltou para o jornal da família Marinho em 1989, como editor da coluna "Swann", que mais tarde, foi transformada em "Boechat".

Vencedor de vários prêmios, entre eles, o Esso, na categoria Informação Política, com Rodrigo França, em 1992; na categoria Informação Econômica, com Chico Otávio e Bernardo de la Peña, em 2001. Boechat também trabalhou nos jornais, "O Dia", "O Estado de S. Paulo" e "Jornal do Brasil".

Em 1997, o jornalista passou a ser destaque na rede Globo, no qual fazia um quadro de opinião no matinal "Bom Dia Brasil". Sempre com notas de sua coluna que renderam pautas aprofundadas, sucesso e polêmicas. Deixou a Globo em junho de 2001.

Entrou para o Grupo Bandeirantes como diretor de Jornalismo no Rio. Em fevereiro de 2006, mudou-se para São Paulo, para ancorar o "Jornal da Band", principal noticiário da emissora. Desempenhava a mesma função no programa diário na rádio BandNews FM, transmitido para todo o Brasil. Assinava ainda uma coluna semanal na revista "IstoÉ", com a colaboração de Ronaldo Herdy.

Na coluna publicada na revista na sexta-feira (8), que levou o título "Acabou a Folia", ele falou, entre outros assuntos, de corrupção, da dança das cadeiras com a troca de poder no Senado e da tragédia de Brumadinho.

Em seu último programa na manhã desta segunda-feira (11) na rádio, Boechat falou das grandes tragédias que acontecem no Brasil que ficaram sem punição.