Topo

Novela

Bom Sucesso


Grazi e Fagundes em A Bela e a Fera? Bom Sucesso aposta em contos de fadas

Guilherme Machado

Do UOL, em São Paulo

13/08/2019 04h00

Paloma (Grazi Massafera) entra na biblioteca de Alberto (Antonio Fagundes) e se deslumbra com a quantidade de livros. A cena de Bom Sucesso, trama global das 19h, imediatamente faz lembrar sequência semelhante de "A Bela e a Fera". Aliás, muito da história entre os dois personagens remete ao clássico infantil. Uma moça doce do interior que fica encantada com um homem rude, mas de bom coração.

Ao passar os olhos pelas prateleiras, Paloma diz: "Alice no País das Maravilhas, Gabriela Cravo e Canela e Peter Pan. Em homenagem a esses livros eu dei os nomes dos meus filhos". Assim é Bom Sucesso, trama que levou para sua linha de frente a literatura, algo pouco usual em novelas. A novidade vem rendendo elogios à história de Rosane Svartman e Paulo Halm, que possui como um dos principais cenários a editora Prado Monteiro.

Alberto, dono do local, é um leito voraz, apaixonado pelas palavras. E a Globo suou para transformar esse amor em realidade: ao todo, 30 mil livros se espalham pelo cenário do folhetim das 19h. A produção de arte buscou misturar livros reais com cenográficos e se preocupou em fazer suas próprias interpretações de clássicos consagrados, como Alice no País das Maravilhas e Peter Pan.

Eugênia Maakaroun, produtora de arte da novela, também criou, ao lado do designer Mauro Britto, mais de 200 capas de livros, com designs específicos para o universo da fábula em questão. A equipe da novela não esconde que um dos desejos desse processo é incentivar a leitura e aquecer o mercado editorial do país.

Assim, diversas tramas de Bom Sucesso lembram contos de fadas clássicos, aproximando o espectador das histórias.

Confira alguns:

Alice no País das Maravilhas

Globo/João Cotta/Reprodução/Disney
Imagem: Globo/João Cotta/Reprodução/Disney

A narrativa de Paloma também se aproxima bastante de Alice no País das Maravilhas. Tanto que, logo no início da novela, ela se imaginou como a personagem da história de Lewis Carroll, perdida em uma floresta e questionando um gato sobre qual caminho deveria tomar. Mas as semelhanças vão além: depois de achar que quase morreria, Paloma se viu sem rumo e encontrou novas perspectivas quando soube que seu exame foi trocado. O seu amadurecimento é similar ao de Alice, que faz uma jornada para descobrir quem é de verdade.

Peter Pan

Globo/Victor Pollak/Reprodução/Disney/Montagem UOL
Imagem: Globo/Victor Pollak/Reprodução/Disney/Montagem UOL

A famosa peça britânica também encontra representação em Bom Sucesso, na figura de Marcos (Rômulo Estrela). Aliás, a comparação já feita até por Alberto na novela. O rapaz é um inconsequente que não gosta de ficar preso às obrigações do dia a dia e prefere encarar a vida como um sonho, uma aventura. Nesse processo, ele decide abrir um bar, sua "Terra do Nunca particular", de certa forma. O nome do estabelecimento: Peter Pan. Mas, como o personagem clássico, Marcos precisa aprender sobre a maturidade ao ser cercado por pessoas com ideias diferentes das suas sobre responsabilidade.

O Patinho Feio

Reprodução/Globo/Disney/Montagem UOL
Imagem: Reprodução/Globo/Disney/Montagem UOL

A história da filha mais velha de Paloma também se assemelha muito a um conto de fadas clássico. Alice (Bruna Inocencio) é uma jovem esforçada, que tem o sonho de passar no Enem. No entanto, ela sofre com a rejeição de um mundo que a vê como diferente. O problema fica mais evidente quando Luan (Igor Fernandez) se envolve romanticamente com ela, para depois abandoná-la, um drama que a fez achar que estava grávida e a levou até a perder a prova do Enem. O personagem criado originalmente por Hans Chirstian Andersen se descobre um cisne e aprende a se aceitar. Já Alice vai aos poucos descobrindo o amor de Luan e se torna mais autoconfiante.

Cinderela

Globo/João Cotta/Reprodução/Disney/Montagem UOL
Imagem: Globo/João Cotta/Reprodução/Disney/Montagem UOL

Pense nisso: uma mãe omissa, que acha que a mocinha é uma interesseira. Sim, a personagem Nana (Fabiula Nascimento) tem um quê da madrasta má de Cinderela. Na primeira ocasião em que conhece Paloma, mesmo com a moça arrasada, ela insiste que a vida dela não é seu problema e a faz de criada, exigindo que costure a bainha de sua roupa.

A costureira acaba rasgando o vestido da ricaça. Nana é rica, poderoso, mas também é uma mãe distante, tendo uma relação conturbada com a filha, Sofia (Valentina Vieira), igualzinho à vilã do clássico conto de fadas. Seu olhar gélido também é capaz de assustar qualquer um. Mas, apesar de tudo isso, Nana tem um diferencial: possui um lado doce, que só não consegue mostrar muito bem.