Topo

Novela

Bom Sucesso


Como na TV, enfermeira teve exame trocado e foi diagnosticada com câncer

Aura Coimbra teve seus exames trocados assim como a personagem de Grazi Massafera em Bom Sucesso - Divulgação/Globo/Arquivo pessoal
Aura Coimbra teve seus exames trocados assim como a personagem de Grazi Massafera em Bom Sucesso Imagem: Divulgação/Globo/Arquivo pessoal

Felipe Pinheiro

Do UOL, em São Paulo

20/08/2019 04h00

O drama de Paloma (Grazi Massafera) em Bom Sucesso, que teve os exames trocados com Alberto (Antonio Fagundes), não é história de novela. Na vida real, a enfermeira Aura Coimbra enfrentou situação semelhante: ela foi vítima de uma troca de exames e chegou a iniciar um tratamento para câncer sem saber que não estava doente.

O pesadelo começou em abril de 2017, quando a enfermeira de Catalão, no interior de Goiás, marcou uma consulta médica por sentir dores na região do abdome.

"Foi uma sucessão de erros", define Aura, que, após dois anos do diagnóstico errado, ainda tenta retomar a sua vida. Depois de entrar com um processo na Justiça por danos morais contra o plano de saúde, ela continua em busca da identidade do paciente cujo exame foi dado a ela de forma equivocada.

A seguir, ela relembra a história e conta como o erro médico transformou a sua vida:

O dia do exame

A enfermeira Aura Coimbra foi diagnosticada com câncer em 2017, mas seu exame havia sido trocado assim como a história da personagem Paloma na novela Bom Sucesso  - Arquivo pessoal
A enfermeira Aura Coimbra foi diagnosticada com câncer em 2017, mas seu exame havia sido trocado assim como a história da personagem Paloma na novela Bom Sucesso
Imagem: Arquivo pessoal
"Eu estava sentindo dores abdominais e um incômodo na região do reto. Por ser uma profissional da saúde, sempre muito cuidadosa, fui procurar o médico. Ele me avaliou e solicitou que fosse feita uma colonoscopia, que é o exame de investigação do intestino.

Foi encontrado um pólipo, que é uma espécie de uma verruguinha. O procedimento padrão é a retirada e o envio desse material para biópsia. Paralelamente a isso, na minha vida pessoal, eu estava vivenciando um momento incrível. Eu havia alugado uma casa, onde iria morar sozinha, e estava planejando uma festa de comemoração.

Eu me recordo como se fosse hoje. Era 12h30 quando estava lavando a casa para esperar a chegada da mobília. Recebi uma mensagem pelo WhatsApp que dizia que meu exame havia ficado pronto. Quando vi, fiquei muito assustada. Adenocarcinoma? Aquilo era câncer! Fiquei cega, em pânico. Trata-se de um câncer que ocasiona metástase, é bem agressivo.

Liguei chorando para o médico e disse que estava com diagnóstico de câncer. Me falaram que eu teria que esperar até segunda-feira. Foi o pior fim de semana da minha vida.

Quando fui ao médico, ele me falou: 'Isso é muito raro'. E repetiu o exame com a mesma amostra em um laboratório de sua confiança. Deu o mesmo resultado."

Consulta com outro médico

A enfermeira Aura Coimbra, que entrou na Justiça após ter seu exame médico trocado - Arquivo pessoal
A enfermeira Aura Coimbra, que entrou na Justiça após ter seu exame médico trocado
Imagem: Arquivo pessoal
"Procurei outro médico, que era referência em Goiânia. Ele me falou que o meu caso era raro e disse que queria repetir a colonoscopia. Mas houve um agravante: o médico que retirou o pólipo deveria ter marcado a região, mas ele não fez isso porque deve ter imaginado que jamais daria alguma coisa no exame, por eu ser jovem.

Esse segundo médico falou que o meu intestino estava íntegro, que provavelmente era um câncer muito inicial. Mas que o procedimento cirúrgico consistia na retirada da porção inteira.

Fui para o oncologista ver qual seria o tratamento indicado, e ele falou que era uma cirurgia muito agressiva, que eu corria o risco de ficar com bolsa de colostomia pelo resto da vida. Ele disse que tinha que investigar se havia metástase e outro foco de câncer. Comecei a fazer exames, tomografias...

O abalo emocional foi uma tortura. Nesse meio tempo, meu padrinho morreu, e eu não sabia se chorava pela perda dele ou por imaginar que o próximo velório seria o meu. Foi apavorante."

Cirurgia marcada

"O médico me falou que antes da cirurgia queria realizar um exame de DNA. Ele disse que poderia ter acontecido uma troca. Surgiu uma esperança na minha vida, mas, ao mesmo tempo, eu tinha medo de me frustrar.

Mandei as amostras ao Sírio-Libanês, mas a médica se recusou a fazer o exame porque era uma porção muito pequena. Voltei ao meu médico de Goiânia e ele falou: 'Nós vamos morrer com a dúvida'. Marquei a cirurgia e, enquanto fazia os exames pré-operatórios, o meu telefone tocou.

Era a coordenadora da patologia do Sírio. Ela soube da minha história e quis tentar me ajudar. Eu disse para ela, chorando: 'Tenho 30 anos e não realizei nada dos meus sonhos ainda'. Toda a minha esperança estava nesse exame. Aquilo me deu uma sensação de conforto tão grande, porque tinha alguém me apoiando.

A minha vida estava em jogo. Desenvolvi depressão, transtorno de ansiedade e distúrbio alimentar. Eu comia compulsivamente. Engordei 20 quilos nesse processo."

A confirmação: os exames foram trocados

No dia 17 de julho, às 16h50, a médica me ligou. Nunca vou esquecer. Ela falou:

'Eu já conversei com o seu médico, mas a boa nova quem quer dar sou eu. Você nunca esteve doente'.

Caí de joelhos, chorando, agradecendo a Deus. Perguntei: 'Mas não pode estar errado de novo?'. Ela riu e falou: 'Não pode estar errado. O paciente que tem câncer é do sexo masculino. Em hipótese nenhuma esse exame é seu'. Chorei muito."

Identificação com a novela

Paloma, personagem de Grazi Massafera em Bom Sucesso - Globo/Divulgação
Paloma, personagem de Grazi Massafera em Bom Sucesso
Imagem: Globo/Divulgação
"No outro dia, achei que tudo tinha sido um sonho e fui conversar de novo com a médica. Ela repetiu que eu não tinha câncer. Toda hora me dava um gelo na barriga. 'Será que eu entendi certo?'

Nunca tinha contado a minha história na televisão antes da novela, e isso me gera uma preocupação. Se o autor se inspirou em algum episódio real, significa que mais erros como o meu aconteceram.

É preciso rever os processos de trabalho em todas as áreas e deve haver um rigor ainda maior na área da saúde para se evitar esse tipo de erro."

"Quero poder ter paz"

"Todo o mundo me cobrava, dizendo que eu tinha que ser grata a Deus. Mas me veio uma tristeza profunda.

Na terapia, pensei: 'Não posso estar totalmente feliz. Alguém está doente'. E tive um sentimento de culpa. Quem é esse paciente? Será que ele recebeu o diagnóstico errado? E fui atrás para saber se esse paciente tinha recebido o diagnóstico correto.

Seria muito egoísmo da minha parte ficar só feliz pela minha saúde. Eu tinha uma responsabilidade.

Comecei, então, a buscar o paciente, mas o sigilo médico não me permite ter acesso ao que houve com ele. Entrei com uma ação na Justiça pedindo para identificar esse paciente em um processo de danos morais. Até hoje não aconteceu nenhuma audiência, e o processo está parado.

Isso me entristece muito, porque não sei se o paciente recebeu o tratamento adequado. Sigo na busca até hoje, tentando encontrá-lo. Preciso achá-lo para poder ter paz. Eu só quero o reparo do erro."

Aprendizado

Uma parte da lista de desejos de Aura; após a troca de exames, ela conta que passou a valorizar mais a vida - Arquivo pessoal
Uma parte da lista de desejos de Aura; após a troca de exames, ela conta que passou a valorizar mais a vida
Imagem: Arquivo pessoal
"Me afetou de maneira muito negativa essa troca de exames, porque desenvolvi depressão, distúrbio alimentar e um sentimento de culpa. Por outro lado, me trouxe aprendizado.

Hoje, sou uma profissional com muito mais empatia pelos pacientes e muito mais cuidadosa nos processos de trabalho. Comecei a ver a vida com outra expectativa e, por isso, desenvolvi uma lista com 100 desejos.

São desejos simples, mas que eu sempre protelei. Sempre quis fazer um piercing, mas pensava no que as pessoas iriam achar. Hoje tenho outra visão. Fiz meu piercing, vou fazer uma tatuagem e vou pular de paraquedas.

Da lista de desejos, o que já realizei: esvaziei meu guarda-roupa para doação, aprendi a fazer risoto, plantei uma árvore, fui ao show do Roupa Nova. São desejos simples, mas que me trazem alegria. A minha perspectiva de vida hoje é totalmente diferente. O prazer da vida está nas pequenas coisas."