PUBLICIDADE
Topo

Felipe Neto reafirma promessa contra vídeos impróprios e explica os antigos

Ana Carolina Silva

Do UOL, em São Paulo

29/06/2020 18h00

Felipe Neto reafirmou hoje uma promessa que já fez algumas vezes ao longo dos últimos anos em seu canal do YouTube: evitar que ele e sua equipe produzam conteúdo impróprio para crianças. Segundo o empresário, a divulgação de vídeos antigos dele e do irmão, Luccas Neto, é a "única arma" que "pessoas aliadas ao governo Bolsonaro" possuem.

"A única arma daqueles que querem me atacar ou atacar ao meu irmão é resgatar vídeos do passado. É sempre a mesma história, a gente já lida com isso há anos e já está mais do que acostumado com essa estratégia baixa, sem caráter. Sempre que alguém quer mostrar que, de alguma forma, a gente faria conteúdo impróprio. Eles nunca pegam conteúdo do presente, feitos de dois anos para cá. São sempre vídeos do passado", afirmou.

Os vídeos publicados por Felipe nos stories do Instagram não citam nomes, mas, ao longo dos últimos dias, os irmãos Neto têm travado uma batalha judicial com Antônia Fontenelle, que é acusada de tentar ligar a imagem deles à pedofilia e a vídeos impróprios para crianças.

Felipe fez uma ressalva sobre algo que a reportagem confirmou no YouTube: os vídeos do passado, que contêm palavrão e piadas de conotação sexual, contam com uma classificação indicativa no título. Isto vale para os vídeos antigos da série "Não Faz Sentido", por exemplo, que são listados como impróprios para menores de 13 anos.

felipe neto - reprodução/YouTube - reprodução/YouTube
Felipe Neto usa classificação indicativa de +13 e +18 em vídeos com palavrões e piadas de conotação sexual
Imagem: reprodução/YouTube

O youtuber acredita ser o único de grande alcance no mundo que faz isso. "Os vídeos têm classificação indicativa de idade para as pessoas assistirem. Eu sou, talvez, o único youtuber no mundo que coloca classificação indicativa de idade no título do vídeo todas as vezes que tem qualquer coisa que eu considere que o vídeo não é próprio para menores de 12 anos. Esse é um compromisso que eu vou continuar tendo sempre", afirmou.

Mais de uma vez ao longo dos últimos anos, Felipe reiterou que não tem como controlar quais públicos podem clicar nestes vídeos (o YouTube só impõe bloqueio de idade em canais que produzem conteúdo listado como impróprio para menores de 18), mas ele próprio convida pais e mães a assistirem ao seu trabalho com ou sem os filhos. "Vá lá conferir porque com certeza acredito que vocês vão gostar e compartilhar", pediu o youtuber.

Recentemente, no dia 13 de março de 2020, ele completou 10 anos de canal e filmou a si mesmo reagindo a vários vídeos do passado — e censurou todas as palavras impróprias que costumava dizer. Hoje em dia, quando ele ou algum convidado diz palavrões, estes são censurados com sons de coruja. Esta prática foi adotada por Felipe quando Luccas Neto passou a atingir grande público infantil e se tornou influenciador para crianças.

"Sempre que vocês virem alguém, qualquer pessoa, não estou falando de alguém específico, qualquer pessoa divulgando conteúdos antigos nossos, vocês têm de considerar que a gente não tinha conteúdo infantil, a gente não falava com crianças naquela época. E é fundamental que isso seja explicado, principalmente em relação a conteúdos que tenham palavrão e piadas de conotação sexual. Eu não tinha qualquer criança me assistindo", explicou.

"Eu fazia vídeos como o Whindersson faz hoje, com várias piadas de conotação sexual e coisas do gênero. Eu não tinha absolutamente nenhuma criança que era assídua do meu canal, não tinha indicativo disso. Quando eu comecei a perceber que algumas crianças começaram a assistir, eu mudei muito o meu conteúdo, como vocês sabem. Vocês acompanharam a minha história e sabem bem como aconteceu", disse Felipe.

"A estratégia dessa galera, normalmente de pessoas aliadas ao governo Bolsonaro, que tentam de toda forma assassinar a reputação dos opositores, é pegar esses vídeos, tirá-los de contexto e fingir que foram lançados recentemente. Dando a entender que crianças eram o foco quando eu fazia piadas de cunho sexual. Whindersson, Kefera e vários outros youtubers fazem piadas de cunho sexual, falam palavrões", acrescentou.

"A Kefera não tem feito mais vídeos, mas é possível ver nos últimos vídeos que ela fez e na trajetória dela que todos nós fazíamos essas mesmas piadas, mesmas brincadeiras para público adolescente, jovem e adulto. Pessoas que estão mais acostumadas com o linguajar adotado ali. Hoje em dia, isso não existe mais no meu canal e nem vai existir", prometeu.

O empresário afirmou que todos os vídeos considerados impróprios foram deletados do canal de Luccas Neto, que hoje é, exclusivamente, um influenciador infantil. Felipe, por outro lado, ainda tem parte do conteúdo jovem e adolescente, de modo que alguns foram mantidos com a classificação indicativa (de "+13" ou "+18") no título.

Famosos