PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Marlene Mattos defende Xuxa e compara programa a desenhos: 'Só tem Peppa'

Marlene Mattos dirigiu programas da Xuxa na TV até rompimento em 2002 - André Durão\UOL
Marlene Mattos dirigiu programas da Xuxa na TV até rompimento em 2002 Imagem: André Durão\UOL

Do UOL, em São Paulo

25/09/2020 10h43Atualizada em 25/09/2020 11h06

A empresária e produtora de TV Marlene Mattos afirmou que não guarda ressentimentos de Xuxa, com quem trabalhou na produção de programas por cerca de 18 anos até um rompimento em 2002.

Marlene, que foi acusada por Xuxa em 2018 de "usar" a apresentadora, defendeu a "rainha dos baixinhos" e seu legado para as crianças.

"Ela é muito profissional. Se o 'Xou da Xuxa' passasse hoje, ainda seria sucesso. Nossas crianças só têm a 'Galinha Pintadinha' e a porca 'Peppa Pig' para entretê-las. A Xuxa foi a maior babá eletrônica que já existiu", disse em entrevista à Quem.

A produtora disse ainda que "deseja o melhor" para Xuxa e que sempre estará disposta para a afilhada, Sasha Meneghel.

"A acompanho de longe, mas com muito carinho. Quero só o melhor para ela sempre. O dia que ela precisar de qualquer coisa na vida, estarei aqui disponível, com o maior prazer", afirmou.

'Ídola'

Marlene defendeu a apresentadora sobre interpretações de que ela sexualizou a infância com as atrações na TV.

Para ela, Xuxa "se portava como uma criança" e falava de "igual para igual".

"Tanto que você vê a geração que cresceu com ela bem, feliz e a idolatrando até hoje", afirmou.

Sobre a separação profissional com Xuxa depois de 18 anos, ela disse que não quis criar alguma polarização nos bastidores.

"Não fiquei pensando quem ficou do meu lado ou não. Eu disse para as paquitas fiquem do jeito que vocês quiserem, como se sentirem melhor", completou.

Durona, mas com conquistas

A empresária não liga para a fama de ser dura no trabalho, o que ela considera como necessário para o "talento ser administrado".

Ela comandou programas da Ana Maria Braga, Luciano Huck, Hebe e foi responsável pela turnê de Michael Jackson no Brasil, em 1993.

Hoje ela ainda trabalha com TV, na produção do programa de Sarah Poncio em uma plataforma de streaming. Mas Marlene comemora suas conquistas.

"Ganhei muito dinheiro, mas eu tinha uma família que não tinha nada. Minhas irmãs estão todas formadas. Fiz elas se formarem. Todas estão independentes seguindo a vida delas", encerrou.

Televisão