PUBLICIDADE
Topo

'Centenário de uma rainha': Zezé Motta agradece legado de Ruth de Souza

Zezé Motta faz homenagem aos 100 anos de Ruth de Souza - Reprodução/Instagram
Zezé Motta faz homenagem aos 100 anos de Ruth de Souza Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

12/05/2021 11h54Atualizada em 12/05/2021 12h21

A atriz e cantora Zezé Motta fez uma homenagem à Ruth de Souza, uma das pioneiras do teatro negro brasileiro e a primeira atriz do país a ser indicada a um prêmio internacional de melhor atriz no Festival de Veneza de 1954.

Hoje, Ruth de Souza faria 100 anos de idade.

Nas redes socias, Zezé lembrou que contracenou com a amiga em "Sinhá Moça", na versão da telenovela da Globo em 2006 — Ruth foi indicada em 1954 justamente pelo seu papel no filme "Sinha Moça" de 1953.

100 anos da nossa Ruth de Souza. O centenário de uma rainha. Amplamente considerada uma das primeiras atrizes de teatro negro da história do Brasil. Com apresentações em teatro, televisão e cinema, Ruth abriu caminho para os futuros artistas afro-brasileiros. A minha sorte de ver vivido e trabalhado inúmeras vezes com ela.

Ruth morreu em 28 de julho de 2019 após ficar internada em decorrência de uma pneumonia.

A atriz participou de mais de 30 filmes e 20 novelas. Ela fez parte do Teatro Experimental do Negro, em 1945. O grupo foi organizado pelo ativista, ator e político Abdias do Nascimento.

Ela foi a primeira atriz negra a encenar no Theatro" Municipal do Rio com a peça "O Imperador Jones". O último trabalho dela na TV foi em 2019, na série global "Se Eu Fechar os Olhos Agora".

Ruth de Souza - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Ruth de Souza e Lázaro Ramos
Imagem: Reprodução/Instagram

Ruth ainda fez parte da série "Mister Brau", protagonizada pelos atores Lázaro Ramos e Taís Araújo.

Com mais de 60 anos de carreira na televisão, ela foi a primeira atriz negra a protagonizar uma telenovela: A Cabana do Pai Tomás (1969), na Globo. Entre seus outros trabalhos na TV estão O Rebu (1974), Sinhá Moça (1986), Mandala (1987), O Clone (2001) e Senhora do Destino (2004).

Hoje, aso 100 anos, ela foi homenageada pelo Google Doodle, que a descreveu como uma das pioneiras ao abrir "caminho para muitos outros artistas negros no Brasil e no mundo".

Em 2016, ao falar com o UOL, Ruth lembrou da briga para que negros exercessem papéis sem estereótipos nas produções na TV.

É que eu sempre briguei e cobrei muito de todo o mundo para ter espaço. Mas foi a Janete Clair e o Dias Gomes que deram a mim e ao Milton Gonçalves a oportunidade de fazer todo o tipo de trabalho. Antes deles, era só a negra gorda alegre, feito a empregada do "...E o Vento Levou" (...) os negros eram mostrados de forma ridicularizada