PUBLICIDADE
Topo

Gagliasso já explicou o racismo para os filhos: 'Importância para futuro'

O ator Bruno Gagliasso - Reprodução/Instagram @brunogagliasso
O ator Bruno Gagliasso Imagem: Reprodução/Instagram @brunogagliasso

Colaboração para o UOL, em São Paulo

18/06/2021 18h48

Bruno Gagliasso contou em uma entrevista para o podcast da portuguesa Mariana Oliveira, "Razão de ser", que já explicou para os filhos um pouco sobre o que é o racismo. Além disso, o ator falou sobre a mudança da família para Portugal por ele estar gravando uma série em Madri, na Espanha e também, comentou sobre a nova fase do filme "Marighella".

Bruno ainda revelou que ele e os três filhos, Zyan, de 10 meses, Bless, de 6 anos, e Titi, de 7, tem a cidadania portuguesa.

"Estou muito emocionado de estar vindo pela primeira vez como cidadão português aqui. Meu avô era português. Ele foi para o Brasil com 8 anos de idade. (Mais tarde) conheceu a minha avó, que também era filha de portugueses. Foi aí que começou a nossa família. Do Porto (...) É impossível ser brasileiro e não ter uma ligação com Portugal. Tenho grandes amigos aqui: Ricardo Pereira, Chica, João... Várias pessoas que admiro e respeito muito. Estou contracenando agora com a Victoria Guerra, que é uma atriz daqui. E eu não esperava vir para cá nessa temporada. Mas como 'Marighella' veio estrear... Eu estava aqui do lado. O processo (para tirar a dupla cidadania) foi tranquilo. Porque a minha família toda já tinha feito isso. Fiz com antecedência. Não senti muito, não. Inclusive meus três filhos são portugueses".

"Marighella", dirigido pelo ator Wagner Moura, que já foi lançado em Cuba e nos Estados Unidos, deve estrear no Brasil no segundo semestre deste ano.

O marido de Giovanna Ewbank interpreta um policial e disse que o atraso da estreia no Brasil foi por conta da pandemia de covid-19:

"Já tem bastante tempo que o filme começou a ser feito. Na verdade, Wagner começou com esta história há muito tempo. Mas a filmar começamos há três ou quatro anos, que é bastante tempo (...) A gente acompanhou as mudanças (no Brasil). Teve o golpe da Dilma (Rousseff), teve o (Michel) Temer, depois a entrada de (Jair) Bolsonaro... Depois de três anos ainda não estreamos. Tem que ser muito alienado para não acompanhar o que está acontecendo no país estando num filme sobre Carlos Marighella, né? A gente comentava, conversava sobre... Qualquer processo antidemocrático afeta a arte (...) No Brasil, a gente não estreou ainda. E o motivo de não se ter estreado antes é a pandemia (...) Tenho fé e torço para que o filme estreia no Brasil".

O galã acredita que no futuro, quando seus filhos assistirem a produção, entenderão melhor sobre o que é o racismo. O artista contou que já explicou um pouco do assunto, porém, eles ainda são muito pequenos para terem uma ampla percepção do tema:

"Meus filhos são novos. Mas já tive que explicar algumas coisas. Ainda não tive um papo profundo sobre essas relações de racismo (...) Quando ela for mais velha e assistir, acho que vai ter orgulho de o pai ter participado (do filme). Minha razão de ser é minha família. Se hoje estou aqui divulgando esse filme é porque sei da importância para o futuro dos meus filhos", finalizou.