PUBLICIDADE
Topo

Ex-loira do Tchan diz por que saiu do grupo e lembra: 'Não era só glamour'

Silmara Miranda dançou com o É o Tchan por quatro anos; atualmente ela é agente da polícia rodoviária - Reprodução/Instagram
Silmara Miranda dançou com o É o Tchan por quatro anos; atualmente ela é agente da polícia rodoviária Imagem: Reprodução/Instagram

Felipe Pinheiro

Do UOL, em São Paulo

28/06/2021 04h00

Ex-loira do É o Tchan, Silmara Miranda passou em um concurso público e hoje atua como agente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Brasília. Ela se lembra com carinho dos anos como dançarina e da amizade que construiu com Compadre Washington e Beto Jamaica.

Silmara entrou no Tchan em 2003 e ocupou o mesmo posto que já foi de Carla Perez por quatro anos. Ela entrou no lugar de Sheila Mello e, antes do título que mudou a sua vida, trabalhava em academias dando aula de dança e ginástica. A ex-dançarina conheceu a fama e subiu ao palco para multidões.

Ela se recorda de alguns momentos especiais:

Fomos fazer shows em Nova York, durante período de neve. Fizemos show em Portugal e o Carnaval em Salvador era sempre uma emoção indescritível. Também teve a gravação dos 10 anos do É o Tchan, que reuniu todos os outros ex-integrantes. Foi muito especial.

Mas a rotina de Silmara não era só de aplausos, autógrafos e fotos com fãs. Como fazia parte de um grupo musical, ela precisava fazer longas viagens em turnê. Era quando batiam alguns momentos de reflexão.

Silmara Miranda com Beto Jamaica e Compadre Washington - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Silmara Miranda com Beto Jamaica e Compadre Washington
Imagem: Reprodução/Instagram

"Não é só de glamour, né? Algo que me fazia querer fazer outras coisas era quando a gente viajava. Às vezes a gente entrava no ônibus e ficava o dia todo viajando para chegar a uma cidade do interior do Nordeste. Eram horas na estrada. Eu via a minha vida passar. Pensava, estou perdendo o dia todo dentro do ônibus. Mas era tudo muito gratificante, subir ao palco e dançar. Foi uma época muito gostosa da minha vida".

Silmara se mudou de Brasília, onde cresceu, para Salvador. Depois de um tempo no É o Tchan, ela já não sentia mais o mesmo prazer — até porque sabia que aquela carreira não seria para sempre. O contrato estava próximo de chegar ao fim e ela decidiu seguir outro rumo. O grupo também já não fazia mais o mesmo sucesso dos anos 90, quando explodiu.

Eu estava fazendo faculdade de jornalismo, já tinha vontade de ser mãe e o Tchan estava passando por um momento de mudanças. Ficávamos às vezes muito tempo sem viajar. Aquilo me angustiava. Foi um período conturbado do É o Tchan. Tudo conspirou para que eu não quisesse renovar o contrato por mais quatro anos.

Uma nova história

Silmara passou em concurso público após estudar por dois anos - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Silmara passou em concurso público após estudar por dois anos
Imagem: Reprodução/Instagram

Silmara deixou Salvador e retomou um antigo sonho: prestar concurso público. Ela voltou a Brasília depois da experiência como jornalista e estudou por dois anos. Disciplinada e com uma filha para criar, ela passou no concurso para a PRF.

Ela diz que muitos estudantes a procuram pelas redes sociais. Uma dica para os "concurseiros":

Continuem firmes, determinados, com muita disciplina e pensamento positivo. Essa angústia que a gente sente durante o estudo não é nada comparada a tudo de bom que vem depois. É para a vida inteira.