PUBLICIDADE
Topo

Augusto Nunes deixa Jornal da Record News e a direção de redação do R7

Augusto Nunes deixa Jornal da Record News e a direção de redação do R7 - Reprodução/Jovem Pan
Augusto Nunes deixa Jornal da Record News e a direção de redação do R7 Imagem: Reprodução/Jovem Pan

Do UOL, em São Paulo

28/07/2021 16h13Atualizada em 28/07/2021 16h24

O Grupo Record anunciou hoje que o jornalista Augusto Nunes não é mais o diretor de redação do portal R7 e não apresentará mais o "Jornal da Record News".

Em comunicado enviado ao UOL, a empresa afirmou que a decisão partiu de Nunes e foi tomada em comum acordo com o grupo.

Sempre fui bastante exigente comigo mesmo e jamais descumpri compromissos assumidos. Mas tenho de me afastar, por questões pessoais, deixando de exercer os cargos com os quais fui honrado.
Explica Augusto Nunes.

O texto afirmava que o jornalista seguirá desempenhando a função de comentarista do "Jornal da Record". O Grupo Record também informou que os outros postos que eram ocupados por ele devem ser ocupados em breve.

Augusto Nunes foi contratado pela Record TV em outubro de 2019, justamente para ser comentarista do telejornal. Em março, ele assumiu o posto de âncora do "Jornal da Record News", papel que até então era exercido por Heródoto Barbeiro.

Indenização a Gleisi Hoffman

O TJ-DF (Tribunal de Justiça do Distrito Federal) condenou Augusto Nunes a pagar indenização de R$ 30 mil por danos morais a deputada federal e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann.

Ele foi condenado após ter chamado a parlamentar de "amante" mais de 70 vezes em textos publicados nos veículos jornalísticos em que trabalha, em referência ao apelido de Hoffmann na planilha da Lava Jato.

No entanto, a Justiça entendeu que o termo "amante" deixou de ser utilizado pelo jornalista com o intuito de informar o leitor a respeito da operação e passou a ser usado para ofender a deputada.

"O sentido infamante e desrespeitoso adotado pelo réu se encontra carregado ainda de conteúdo misógino e sexista, puramente com o intuito de agredir a demandante", disse o desembargador Alvaro Ciarlini, relator do processo.