PUBLICIDADE
Topo

Letícia Colin sobre Jair Bolsonaro: 'Somos torturados pelo governo federal'

Letícia Colin teceu críticas ao governo do presidente Jair Bolsonaro - Reprodução / Agência Brasil
Letícia Colin teceu críticas ao governo do presidente Jair Bolsonaro Imagem: Reprodução / Agência Brasil

Colaboração para o UOL

11/08/2021 13h38

A atriz Letícia Colin, de 31 anos, criticou a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia de coronavírus, e afirmou que os brasileiros estão sendo "torturados" pelo mandatário, que, segundo ela, não conseguiu passar para a sociedade a sensação de segurança em um momento tão crítico quanto o vivenciado na atualidade.

"Somos verdadeiramente torturados pelo governo federal. Precisaríamos ter uma sensação de segurança e não temos", declarou a artista em entrevista à revista 29Horas.

Colin, que foi diagnosticada com covid-19 no ano passado, relatou que continua em tratamento devido às consequências deixadas pela doença em seu corpo. Para ela, o Estado "matou muita gente" ao insistir na utilização de medicamentos sem eficácia comprava contra o coronavírus, como a cloroquina e ivermectina, que foram recomendados por Bolsonaro e seus apoiadores.

"Ainda estou em tratamento e investigando as consequências em meu corpo. O Estado brasileiro matou muita gente pela insistência em medicamentos sem eficácia e por não ter acolhido as medidas corretas [de combate ao vírus]. Então o governo federal carrega a responsabilidade dessas mortes todas. Perdemos muito", completou.

Sequelas da covid

Em junho, Letícia Colin falou, em entrevista ao programa "Conversa com Bial", sobre as sequelas deixadas pela covid-19 em seu corpo.

De acordo com a artista da TV Globo, o coronavírus a deixou com algumas consequências, principalmente mentais. "Estou com várias questões neurológicas", disse.

No primeiro ano de vida ao lado do filho Uri, ela e o marido, o também ator Michel Melamed, enfrentaram o isolamento social e viveram momentos de bastante tensão ao contraírem o coronavírus, doença que a fez necessitar de horas de sono reguladas e de um longo tratamento.

"Agora está tudo bem, não foi nada grave, então com isso eu realmente preciso dormir algumas horas seguidas. E com isso o Michel virou a sentinela da madrugada", declarou.