PUBLICIDADE
Topo

Ex- BBB Lumena quase desistiu de militância após morte de Marielle Franco

A ex-BBB Lumena Aleluia fala da morte de Marielle Franco - Reprodução/Instagram
A ex-BBB Lumena Aleluia fala da morte de Marielle Franco Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para o UOL, em São Paulo

16/08/2021 15h30Atualizada em 16/08/2021 15h39

A ex-BBB Lumena Aleluia se abriu sobre um momento difícil em sua vida: a morte de Marielle Franco, vereadora que foi assassinada em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro.

Ao podcast de Rafinha Bastos, a psicóloga contou sobre o dia fatídico, falando que viu a vereadora 15 minutos antes de sua morte. Marielle participou de um evento organizado por um projeto coordenado por Lumena no dia de seu falecimento. "Eu vivi um ano em depressão", disse a ex-sister.

A baiana deu mais detalhes sobre o dia: "A gente se encontrou na agenda em março, no evento da Casa das Pretas (ONG onde Lumena trabalhava na época), bateu aquela saudade, se abraçou, e ela entrou no carro. Aí ela entrou no carro para ir pra casa, foi quando as meninas se dispersaram ali na Lapa. Eu sentei para tomar uma cerveja com a minha ex-namorada e umas amigas, quando a gente recebeu no celular uma mensagem de uma militante lá do Rio, e ela falou: 'Irmã, Marielle morreu'. Ela só tinha capacidade de falar isso".

Lumena também contou como foi o momento em que foi até o local onde a vereadora foi assassinada. "Todo mundo foi recebendo no celular, ao mesmo tempo. A gente não acreditou. A gente voltou, saiu do bar, voltou para a Casa das Pretas. Todas as meninas que estavam na agenda voltaram. A gente foi de comboio para Estácio (bairro do Rio de Janeiro). Chegou lá e já estava lá a cena do crime. Não estava fazendo sentido", contou a ex-BBB, completando: "A gente tinha acabado de fazer uma agenda superformativa, impulsionadora. E aí 15 minutos depois você vê que aquela mulher que acabou de te dar um estímulo, um oxigênio, estava morta".

O episódio reverberou na saúde mental da psicóloga, e ela se emocionou ao falar sobre seus sentimentos na época. "Foi um divisor de águas. Eu falei: 'Não quero mais ser militante. Não vou morrer, e não quero que minhas amigas morram'. Muita gente saiu adoecida daquela experiência. Aí eu encontro uma casa religiosa, porque eu estava definhando", disse Lumena entre lágrimas.

Ela ainda falou muito da vereadora e como foi um exemplo enquanto militante: "Marielle era muito essa pessoa, ela encontrava uma menina em qualquer agenda e falava: 'Você é inteligente, você é capaz, não desista'. Ela era essa figura política. Então era, sim, uma referência para milhões de mulheres, sobretudo para mim".

Apesar disso, Lumena se diz grata pela experiência da militância, mas está tomando novos rumos. "A militância fez parte da minha história de vida por anos, me fortaleceu por anos. Mas eu estou numa mudança de chave há uns dois anos".