PUBLICIDADE
Topo

A Fazenda: Duda Reis acusa Record de manipulação e detona Nego do Borel

Duda Reis fez críticas à Record e ao ex, o cantor Nego do Borel - Reprodução/Instagram
Duda Reis fez críticas à Record e ao ex, o cantor Nego do Borel Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para o UOL

20/09/2021 22h30

Duda Reis voltou a usar seu perfil nas redes sociais para fazer críticas à Record TV por supostamente manipular o reality show "A Fazenda 13" para favorecer o cantor Nego do Borel, seu ex-noivo.

Em seu perfil no Twitter, a famosa, sem citar nominalmente o funkeiro, mas sim a emissora, escreveu que "tem que gente que não sustenta o personagem" e criticou as pessoas que "compram a pose de 'pobre coitado', 'excluído', 'injustiçado' e 'bom moço'". Ainda, ela diz ser "impressionante como querem enfiar goela abaixo uma imagem de 'vítima' para o agressor".

Duda seguiu seu desabafo dizendo ser "revoltante ver um cara que bate em mulher sendo enaltecido". "Se em câmeras você já vê que o comportamento é agressivo, imaginem em casa e convivendo de fato. Gente, mulheres morrem todos os dias por causa desse silenciamento. Essa emissora silencia a mulher, não é normal", afirmou.

"Eu tenho todo o meu direito, assim como qualquer vítima de violência doméstica, de ficar apavorada com as pessoas que querem reverter a imagem de um agressor. Como colocam um homem com três denúncias de três mulheres rolando na justiça, na televisão?", questionou, indignada.

Em seguida, Reis rebateu as críticas dos seguidores e afirmou que algumas pessoas "misturam as pautas". Segundo ela, "ninguém está 'chutando cachorro morto'", e se refere a Nego do Borel como um "agressor". "Agredir mulheres é crime! O normal é você não compactuar e não fingir que nada aconteceu. Aconteceu sim! Com mais de três mulheres", escreveu.

Segundo a famosa, ela tem recebido várias mensagens no direct do Instagram de pessoas que falam "atrocidades" para ela. Por causa dos ataques virtuais, a atriz pontua que tem evitado ficar on-line em seu perfil no Instagram.

"A mulher denuncia, fica fodid* psicologicamente, passa por várias perícias, extremamente revitimizada, enquanto o agressor vai para reality mostrar que é 'uma perda de tempo a mulher denunciar'? Porr*! Me poupe Record, eu falo mesmo! Não tenho um pingo de medo de peitar o que vier", disse.

Em seguida, ela acusou a Record de manipular o programa e diz que, "se bobear já até o aconselharam a não beber e a começar a pregar sobre Jesus Cristo lá. O bispo [Edir Macedo] deve ficar orgulhoso. Também deve ter pedido para ele se excluir e chorar olhando para as câmeras. Passadores de pano, silenciadores de mulheres", tuitou.

Por fim, Duda Reis destacou que "superar uma relação normal é diferente de superar violência doméstica e abuso psicológico". "Não vou ser silenciada, são os meus direitos, as minhas dores, minhas cicatrizes enormes! Não façam isso coma mulher, poderia ser sua filha", completou, ressaltando não querer "acabar com a vida de ninguém" e que apenas quer "justiça".

Nego do Borel é indiciado por lesão corporal contra Duda

O cantor Nego do Borel, atualmente confinado no reality 'A Fazenda 13', da Record, foi indiciado por lesão corporal contra a influenciadora Duda Reis. A informação, compartilhada por ela nas redes sociais, foi confirmada pela Polícia Civil e pela assessoria de imprensa do cantor.

O inquérito foi instaurado pela 2ª Delegacia de Defesa da Mulher. Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, o caso já foi "encaminhado ao Juízo competente, com indiciamento do investigado pelo crime de lesão corporal no âmbito da violência doméstica em razão da existência de indícios de lesão à saúde psíquica da vítima".

Duda expôs a situação no Twitter e fez um alerta para quem questiona o depoimento das mulheres que fazem denúncias contra seus companheiros. "Hoje, Nego do Borel foi indiciado por violência doméstica contra mim. Acho que vocês precisam saber, principalmente quem duvida da palavra da mulher e sempre a coloca em questão", disse a atriz.

A influencer e o cantor ficaram juntos por quase três anos e terminaram o noivado em dezembro de 2020. Um mês depois, ela registrou um Boletim de Ocorrência da Delegacia da Mulher de São Paulo o acusando de estupro de vulnerável, ameaça, injúria, lesão corporal, violência doméstica e transmissão de HPV.

Procurada pelo UOL, a assessoria do funkeiro confirmou que Nego do Borel foi indiciado por lesão corporal e destacou que a ocorrência se deu "devido a perturbações psíquicas", colocando em foco que não teria havido agressão física. "O cantor foi acusado de diversos crimes por sua ex-companheira e após as investigações preliminares, a Delegada não encontrou provas que justificassem o indiciamento do Leno por nenhum outro crime", diz o comunicado.

Lei Maria da Penha

Indiciado por lesão corporal, Nego pode ser enquadrado na Lei Maria da Penha. Em agosto deste ano, mudanças na lei tipificam a violência psicológica e a perseguição contra a mulher e determinam o afastamento imediato do agressor e o cumprimento da pena em regime fechado.

Como denunciar violência

Caso uma vítima tenha sofrido violência sem ferimentos graves, ela pode recorrer imediatamente à Delegacia da Mulher, se existir essa unidade em seu município, ou à delegacia de Polícia Civil, para registrar um boletim de ocorrência.

Quando houver ferimentos graves, com necessidade de pronto-atendimento, a unidade de saúde ou hospital deverá fazer o encaminhamento ou orientar a paciente para que procure a delegacia de polícia. Na maioria dos casos com internamento, o próprio hospital confirma a violência e avisa à Polícia Civil.

Disque 190 - Deve ser acionado em caso de flagrante ou em que a situação de violência esteja ocorrendo naquele momento.

Disque 181 - Pode ser usado para denunciar anonimamente a violência. As informações serão conferidas pela polícia.

Disque 180 - A Central de Atendimento à Mulher funciona 24 horas. A ligação é gratuita, anônima e disponível em todo o país.

Ministério Público - Acesse o site do Ministério Público do seu estado e saiba qual a melhor forma de fazer a denúncia. Alguns estados possuem, inclusive, núcleos de gênero especializados em atender mulheres vítimas de violência.