Topo

Coluna

Leo Dias


Por trás dos artistas e suas causas, há sempre uma grande empresa

Bruna Linzmeyer e Taís Araújo - Reprodução/Instagram
Bruna Linzmeyer e Taís Araújo Imagem: Reprodução/Instagram
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e apresentador do programa "Fofocalizando", do SBT. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

05/11/2019 10h25

Certa vez, uma empresa de gerenciamento de carreira procurou uma atriz e sugeriu algo que, até então, ela nunca tinha ouvido: que ela passasse a levantar bandeiras politicamente corretas. Eles ensinariam ela a falar publicamente sobre o assunto e coordenariam suas redes sociais para tornar pública a 'bem-feitoria'. Foram sugeridas causas feministas, indígenas, gays... Perplexa, ela preferiu manter a sua verdade.
Sem entender a verdadeira intenção da empresa, a atriz questionou o porquê daquilo. A explicação foi direta: hoje, o mundo para quem abraça uma causa é bem mais rentável.

Desde então, essas empresas chamadas de 'gerenciamento de carreira' não pararam de crescer e cuidam da grande parte dos artistas brasileiros. Uma das mais renomadas no mercado é a Urgh. Eles gerenciam todas as redes sociais e, principalmente, os textos e respostas dos artistas a seus seguidores. Tudo é checado antes de ser publicado: a hora, o dia, o conteúdo do texto. E, lógico, os artistas passam por palestras para entenderem e, lógico, acreditarem nas causas que defendem.

As empresas ficam responsáveis por um monitoramento total das redes sociais dos artistas, eles fazem os levantamentos das redes, com os índices dos resultados. Eles são responsáveis até por checar as directs, mensagens privadas enviadas por seguidores, que os artistas recebem.

Uma das ações mais bem-sucedidas no meio artístico foi com a atriz Taís Araújo. Coordenada pela tal empresa, abraçou a causa negra e passou a dar palestras e estampar diversas capas de revistas. Não que a postura da atriz não seja verdadeira e legítima, mas não há como negar que o perfil militante da atriz tenha se intensificado de uns anos para cá. De fato, a imagem pública de Taís no mercado publicitário é considerada um exemplo.

Aliás, por falar nas revistas, hoje elas só dão capa para quem abraça uma causa. Bruna Linzmeyer é um dos maiores exemplos. Mesmo sem ser uma figura notória, ela está sempre entre as mais requisitadas por ter um conteúdo da causa mais valorizada no meio, a da mulher.

Anitta teve que passar por 'intensivão'. Depois de muitas besteiras na Internet, principalmente sobre a questão feminista, precisou de uma intervenção em suas redes e aulas intensas para passar a ter conteúdo e evitar cair em polêmicas.

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Na crise envolvendo a atriz e apresentadora Giovanna Ewbank, durante a separação de José Loretto e Débora Nascimento, Ewbank foi levada à mesma empresa que cuida de Taís Araújo e entregou suas redes sociais a eles. A situação de Giovanna foi considerada emergencial, mesmo ela tendo sido uma das pioneiras na questão de 'abraçar causas', neste caso, após a adoção da filha de origem africana.

Então, meu caro leitor, desconfie da genuinidade de qualquer celebridade que for levantar uma bandeira. Certamente há uma grande empresa por trás.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Leo Dias