Topo

Coluna

Leo Dias


De vaqueiro a forrozeiro: Como Mano Walter virou um fenômeno na música

Mano Walter - Reprodução/Instagram
Mano Walter Imagem: Reprodução/Instagram
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

19/11/2019 06h00

Resumo da notícia

  • Mano Walter, cantor de forró-de-vaquejada até meados de 2015, deixou o regionalismo um pouco de lado para atingir projeção nacional.
  • A ideia era ocupar o vácuo deixado por Wesley Safadão e pelo Aviões do Forró, que passava por turbulências.
  • Além do estilo musical, Mano promoveu mudanças até no figurino e investiu em parcerias até estourar com um hit nacional, "Não deixo não".
  • Após a gravação do DVD, que gerou dois outros hits, o cantor se manteve no Top 50 do Spotify durante o ano todo.
  • Recentemente, Mano entrou para a História como o primeiro cantor de forró a ser indicado ao Grammy Latino.
  • Nesta terça-feira (19), ele se apresenta no Rio de Janeiro, no Espaço Hall, antigo Barra Music.

Em abril de 2015, uma reunião no escritório que cuida da carreira de Mano Walter, que até então cantava de forró-de-vaquejada, um estilo típico do interior do Nordeste, à la Mastruz com Leite, decidiu mudar radicalmente a carreira dele. Seu empresário, o visionário Pedro Mota, percebeu que havia uma carência no mercado do forró nacional, dominado por Wesley Safadão. Pedro entendeu que havia, na época, uma séria turbulência no poderoso Aviões do Forró e sobrava ainda um belo espaço para quem não canta apenas a "safadeza" de homem brasileiro.

A primeira providência foi deixar a música de Mano Walter mais "jovem" e menos regional. O morador de São Paulo tinha que se identificar com a letra, da mesma maneira que quem vive em Recife. Em pouco tempo, o resultado começou a aparecer no Nordeste. "Balada do Vaqueiro" e "Playboy Fazendeiro" estouraram localmente. Só que Mano queria, de fato, se tornar nacional, mas, para isso, ainda faltava um grande hit e, acredite, mudar o visual, a começar pela bota. O modelo que ele costumava usar, com estilo bem mais tradicional, foi trocado por um mais moderno. O chapéu de vaqueiro era outra peça que precisava ser mexida, mas como retirá-lo totalmente seria algo impossível, a opção foi fazer com que Mano ficasse 80% do tempo sem ele. Grande evolução. O chapéu, além de deixar o cantor mais velho, simboliza o homem do campo, e Mano queria conquistar o país todo, não apenas o interior.

Para atingir a projeção nacional, o melhor caminho parecia a boa e velha parceria. Mano gravou, então, com Marilia Mendonça, desconhecida na época. Mesmo assim não tinha como dar errado. E não deu. "O que houve?" chegou aos quatro cantos do país, mas ainda faltava um hit, uma explosão, que caísse nas graças do povo. E ele veio. A consagração nacional de Mano veio justamente com uma música que fala que o homem do campo não deixa seus costumes e hábitos à toa. Uma música que caía como uma luva para o agrônomo Mano, que ainda tem pós-graduação em segurança do trabalho, algo raro no meio da música.

Com a certeza de que aquela seria "a música", Pedro mandou Mano para o Rio para gravar um clipe em dois dias. No dia 30 de abril de 2017, foi lançado "Não deixo não", uma bomba atômica no mercado de forró. Em 24 horas, a música já superava um milhão de views. Pronto, era a certeza que Pedro precisava ter: "Mano, prepara que estourou", disse. Safadão, que parecia imbatível, foi superado por Mano e "Não deixo não" se tornou o clipe brasileiro mais visualizado na história do forró, com 370 milhões de views. Enfim, o Brasil sabia quem é Mano Walter.

Depois do hit nacional, era hora de reunir os amigos e gravar um DVD. O cenário foi o Credicard Hall de São Paulo, em outubro do ano passado, e Mano reuniu nada menos que Jorge, Claudia Leitte, Gustavo Mioto, Xand Avião e Maiara & Maraisa para a gravação. Do DVD, saíram dois novos hits: "Então vem cá" e "Fingindo maturidade", canções responsáveis por manter Mano o ano todo no Top 50 do Spotify, a plataforma de streaming que é, hoje, a principal referência para medir o sucesso de uma música.

Não faltava mais nada, correto? Errado! A simplicidade de Mano e sua música correta, sem deixar de lado a sua raiz do campo precisava ainda de uma consagração. Em 25 de setembro uma notícia inesperada - não pela qualidade do trabalho, mas pelo tempo de carreira - sacode as Alagoas de Mano. Ele entrou para a história como o primeiro cantor de forró a ser indicado ao Grammy Latino. E, para consagrar as realizações e o ano fantástico, com uma média de 22 shows por mês, Mano se apresenta hoje no Rio, no Espaço Hall, antigo Barra Music. É o show para ter a certeza de que Mano Walter é a prova viva de que a música brasileira nos surpreende a cada dia.

Mano Walter e seu empresário, Pedro Mota - Reprodução/Instagram
Mano Walter e seu empresário, Pedro Mota
Imagem: Reprodução/Instagram

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Leo Dias