PUBLICIDADE
Topo

Anitta procura DJ Rennan da Penha para parceria musical

Anitta e Rennan da Penha - Reprodução/Instagram
Anitta e Rennan da Penha Imagem: Reprodução/Instagram
Blog do Leo Dias

Notícias exclusivas sobre o mundo das celebridades e os bastidores do show business no Brasil.

Colunista do UOL

29/11/2019 00h38

Resumo da notícia

  • Recém saído da prisão, o DJ Rennan da Penha tem sido procurado por cantores para parcerias, entre eles, Anitta.
  • O DJ disse já ter uma música que, inicialmente, seria lançada com um funkeiro de São Paulo, mas Anitta também topou participar da faixa.
  • Canais de TV também estão atrás do DJ para entrevistas, mas ele não parece interessado em falar.

Bastou o DJ Rennan da Penha deixar o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, no último sábado (23), para uma série de convites de parcerias surgirem na vida do rapaz. A mais provável é com Anitta, que já procurou o criador do 'Baile da Gaiola' para gravar com ele. Rennan, inclusive, já tem uma música, que, a princípio, lançaria com um famoso funkeiro paulista, mas ele perguntou se Anitta topava participar da faixa, e ela disse sim.

Para a Coluna do Leo Dias, Anitta deu sua versão: "Ele me procurou, não eu. Procurei ele antes de ser preso, o que ele fez foi só retomar a conversa quando saiu. Ai me procurou, não eu."

Não só cantores estão atrás do DJ. Canais de televisão também. Os programas 'Fantástico' e 'Domingo Espetacular' estão tentando convencer Rennan a falar em entrevistas, mas ele não parece nem um pouco interessado. A estratégia dos empresários do DJ é mantê-lo distante da mídia e afastá-lo de qualquer situação que possa criar problemas com as autoridades policiais.

Rennan da Penha foi preso em março, após ser condenado, em segunda instância, a seis anos e oito meses de prisão em regime fechado por associação com tráfico de drogas. Entretanto, em primeira instância, o funkeiro havia sido inocentado por falta de provas. Rennan foi solto após se beneficiar da decisão do Supremo Tribunal, que, no início deste mês, derrubou a possibilidade de prisão de condenados em segunda instância.

* Com colaboração de Geizon Paulo