PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Jornalismo de celebridades sofrerá com Coronavírus e precisa se reinventar

Caetano Veloso atravessando a rua no Leblon - Reprodução
Caetano Veloso atravessando a rua no Leblon Imagem: Reprodução
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

19/03/2020 10h51

Pode parecer fútil em meio à situação de extrema dificuldade que o Brasil passa, por conta do Coronavírus, discutir o futuro do jornalismo de celebridades. Mas a Coluna do Leo Dias não tem problema algum em admitir sua futilidade relevante. Vamos lá: haverá muito menos notícia para gente escrever. É fato. Os artistas produzirão menos arte, sendo assim, teremos menos sobre o que escrever. Haverá menos shows, menos beijo na boca entre famosos, os casais se formarão de uma maneira diferente, a fofoca terá mais dificuldade em circular.

E nós, jornalistas, temos que ficar mais atentos às fakenews, com mais espaço nos sites e nos jornais, vão sobrar aproveitadores que nos passarão mentiras. Nosso trabalho será checar em dobro.

Não haverá novela nova, os atores não farão mais barraco no Projac, e até os paparazzi vão se estapear para fotografar Caetano Veloso atravessando a rua no Leblon. A chance de acontecer um novo escândalo como o de José Loreto, é nula. A opinião terá mais poder nesta fase de escassez de notícia. A experiência e a vivência terão mais valor. A imprensa novata sofrerá.

Mesmo sem produzir produtos novos, a TV aumentará sua audiência porque o tempo ocioso do brasileiro aumentará.

Mas o que já está crescendo de forma significativa são as redes sociais, que não exibem reprise como a TV, e vão explodir de audiência. A audiência dos sSories do Instagram nesta quarta foi enorme. E a tendência é aumentar. Ontem, o Instagram bombou com inúmeras "lives" (transmissões ao vivo) de artistas, recolhidos em quarentena. Mas o destaque veio com Ivete Sangalo aprendendo a tocar as músicas que ela gosta de tocar. No meio da live, surge Bruno Rocha, o Hugo Gloss, e conta que Boninho convidou a cantora para entrar ao vivo no "Big Brother Brasil". Agora é assim. Essas serão as novas notícias. Tudo via web. Aliás, o consumo via internet vai disparar. As relações interpessoais vão mudar, haverá menos toque. Os brasileiros se distanciarão.

O tempo ocioso vai aumentar. Paulistas têm mais dificuldade a lidar com o ócio. Cariocas, não. Vão logo para a praia. Aliás, as noites serão bem mais monótonas. Boates e bares farão demissão em massa.

Aliás, é isso o que preocupa mesmo a Coluna Leo Dias: os milhares de trabalhadores que vivem graças aos shows, às peças de teatro e os funcionários terceirizados que as TVs contratam. É hora de repensar a vida e a maneira de ganhar dinheiro. Que Deus nos abençoe.

Leo Dias