PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Com publicidade em queda e 'jabá' suspenso, como as rádios vão sobreviver?

Luísa Sonza  - Reprodução/ Instagram
Luísa Sonza Imagem: Reprodução/ Instagram
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

30/03/2020 10h33

Entender o faturamento de uma rádio no Brasil é algo complicado. A ascensão da internet foi um golpe fortíssimo ao faturamento delas, até porque a maneira de ouvir música mudou muito nos últimos anos. Mas rádio ainda faz diferença na carreira de um artista. Vitão, Luisa Sonza e Melin são exemplos da nova geração que só tiveram relevância nacional depois que começaram a tocar em rádio.

Nos últimos anos, a solução para a economia das rádios foi o "jabá", que todo dono de rádio tem o mesmo discurso: "pode até existir, mas aqui nós não praticamos isso". Só que, agora, sem shows, os jabás acabaram temporariamente e o desespero começou a bater, principalmente nas estações menores.

O jabá no Brasil existe de duas formas: em dinheiro ou em data de shows que o artista faz de graça para um evento que a rádio vai fazer o caixa.

Vale ressaltar que a situação é muito pior para as rádios que sempre trataram a internet como uma inimiga, não como uma aliada. Essas, estão fadadas ao fracasso.

Pois é justamente nas grandes adversidades é que surgem as revolucionárias soluções. A ideia de depender exclusivamente de uma programação musical é aterrorizante. Nos dias de hoje, a pessoa tem, na palma da mão, a opção de escolher a canção que gosta e ouvir a hora que quiser.

Então, a dica da Coluna Leo Dias para você, que administra uma rádio musical é criar uma programação mais variada que não dependa de música. Crie programas de debates com música entre os blocos, se a rádio for jovem, que tal um programa de namoro? E, óbvio, crie um canal no YouTube e poste todo o conteúdo. A produção própria eleva a relevância de qualquer empresa. Fuja do óbvio, porque isso todo mundo já fez.

Leo Dias