PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Grupo de advogadas cria abaixo-assinado em apoio à Prioli na CNN Brasil

Gabriela Prioli ao lado do grupo de advogadas - Reprodução/Montagem UOL
Gabriela Prioli ao lado do grupo de advogadas Imagem: Reprodução/Montagem UOL
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

31/03/2020 11h31

O episódio que antecedeu o afastamento de Gabriela Prioli do "Grande Debate", na CNN Brasil, vem dando o que falar. Um grupo de advogadas de diversas partes do país, especialmente de São Paulo, criou uma nota de apoio público e um abaixo-assinado a favor da comentarista, alegando que a também advogada sempre "manteve sua postura séria, ética e comprometida, argumentando com base em dados", e que seus colegas na bancada se mostraram "despreparados" para o debate.

A Coluna do Leo Dias conversou com uma das advogadas criadoras do abaixo-assinado, Cláudia Bernasconi. Ela contou que a iniciativa surgiu dentro de um grupo de Whatsapp com 181 mulheres advogadas e que, após a ação criada, homens advogados também pediram para apoiar e assinaram o documento, que possui até o momento 333 assinaturas. A nota e o abaixo-assinado foram enviados à CNN Brasil por Cláudia e divulgado nas redes sociais.

"Sempre achamos que os homens se reúnem, fazem eventos, e nós mulheres nunca tivemos um canal para expor a visão da mulher sobre os assuntos", diz Cláudia sobre a criação do forte grupo de mulheres. Ela completa: "A Gabi faz parte deste grupo e, desde a estreia, comentamos sobre como ela era tratada pelos demais participantes do programa. Percebemos a falta de preparo do Caio [Copolla] e depois a forma grosseira como o Tomé [Abduch] a tratava durante o debate."

A advogada considera que o auge dos problemas com Prioli ocorreu na sexta-feira (27). Na ocasião, Gottino se opôs a Gabriela no momento em que discutiam sobre a prisão domiciliar de Eduardo Cunha.

"Foi uma intervenção para lá de inadequada do Gottino. Com a mensagem dela [falando da saída da emissora] nas redes sociais, surgiu a ideia de nos manifestarmos a favor da Gabi. Para deixar bem pontuada a atitude da emissora e dos participantes contra uma colega mulher que sequer tinha garantido o tempo de fala. Coisa que acontece muito", ressaltou Claudia.

Leia a nota de apoio do grupo de advogados a favor de Gabriela Prioli:

"As advogadas e os advogados abaixo assinados vêm a público manifestar seu apoio à advogada e comentarista política Gabriela Prioli relativamente aos acontecimentos recentes no programa Grande Debate, promovido pela CNN Brasil.

Gabriela sempre manteve sua postura séria, ética e comprometida, argumentando com base em dados, como é esperado de quem participa de um programa televisivo que se propõe a discutir temas de relevo social.

Infelizmente, os dois debatedores escolhidos para o quadro não apresentaram os mesmos predicados, mostrando-se frequentemente despreparados para o tema do dia e, por vezes, recorrendo a ataques pessoais. Nem sequer o intermediador, posto ali para equilibrar o debate de forma neutra, cumpriu esse papel: não só não evitou que o outro debatedor interrompesse sua fala, como ainda, passou a ser protagonista das interrupções. Não há forma mais clara de desrespeito ao fomento do equilíbrio que lhe incumbia.

Enquanto telespectadores, esperávamos que o compromisso da CNN Brasil fosse com a proposta de um debate informativo, embasado, racional e mediado pelo respeito. Infelizmente não foi o que aconteceu. O que vimos foi o acirramento da polarização, não como forma de contrapor argumentos e dados, mas como um fim em si. Com isso, perdeu a emissora a chance de contribuir positivamente em um momento em que a solidariedade é essencial e no qual a boa informação pode ser a diferença entre viver ou morrer.

Com a saída de Gabriela do programa a CNN Brasil perde, a sociedade perde. Mas sua decisão é coerente com o que sempre defendeu: discussão baseada em dados, tolerância e respeito."

Leo Dias