PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Leo Dias

Jurada da Record surta em áudio vazado e diz que Doria é uma 'viada velha'

Coreógrafa Fernanda Chamma, conhecida por seus trabalhos no "Domingão do Faustão" e no "Dancing Brasil", xinga Doria em áudio - Montagem de fotos de reprodução/Record e Divulgação
Coreógrafa Fernanda Chamma, conhecida por seus trabalhos no "Domingão do Faustão" e no "Dancing Brasil", xinga Doria em áudio Imagem: Montagem de fotos de reprodução/Record e Divulgação
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

19/05/2020 20h40

O coronavírus definitivamente está afetando a cabeça das pessoas. A coreógrafa Fernanda Chamma, conhecida por seus trabalhos no "Domingão do Faustão" e no "Dancing Brasil", surtou em uma mensagem de áudio enviada a amigos próximos. No desabafo, ela afirma que o "brasileiro nasceu pra viver na m***a".

No áudio, que dura quase nove minutos, a funcionária da Record TV não poupa nem mesmo João Doria e Bruno Covas, governador e prefeito de São Paulo, respectivamente. Ela se refere ao primeiro como "viada velha cheia de botox" e afirma que o segundo tem "cara de feijão branco".

"Esse Doria acha que é quem? Agora ele proíbe andar, não pode beijar, você não pode dirigir, não pode peidar, não pode usar cloroquina, não pode sair, não pode se mover. Ele acha o que, que todo mundo vai virar robô que nem ele? Viada velha, cheia de botox mal implantado. A viada velha tá me tirando do sério", afirmou Fernanda.

Na sequência, ela decidiu metralhar críticas para a determinação que deu origem a um mega feriado na cidade, para aumentar os índices de isolamento social. "Agora ele vai antecipar o feriado do Corpus Christi, do preto, do branco, do azul, do 7 de setembro, do 15 de novembro... O natal vai ser agora também? Vai tomar no meio do c* dele", disparou.

Sobre a decisão, ela revelou que não irá deixar de trabalhar e tampouco permitirá que seus funcionários fiquem em casa. "Eu vou continuar trabalhando normal e meus funcionários vão continuar trabalhando normal. Tô cagando. Se o meu médico mandar tomar cloroquina quando eu pegar essa m***a, eu vou tomar. Tô cagando pro Doria, pra medicina dele e pro botox mal feito dele. Caguei! Deixa eu ser presa e ser feliz", disse.

"Cada um faz o que quer! Tô pelas tantas com gente chata. Tô cagando pro mundo. Vão ser felizes um pouco! Todo pobre gosta de desgraça. É uma verdadeira loucura isso aqui, isso aqui é aborígene, uma desgraça total. E quando falo pobre nem é de dinheiro, é pobre de espírito. Brasileiro viveu pra viver na m***a", sentenciou Fernanda Chamma em outra parte do áudio.

A jurada do Dancing Brasil prosseguiu seu surto, agora se referindo também ao presidente Jair Bolsonaro: "Meu c* pro Bolsonaro que é doido, pra esse Doria que é doido, pro Covas que é doido. Cada um com seus problemas! Que gente chata, eu não aguento".

Logo depois, ela afirma que planeja deixar o Brasil assim que tiver oportunidade. "Eu tô quase pegando um avião pra Miami, juro por Deus. Pelo menos em Miami não vai ficar essa gente chata. Eu troco de Facebook. Gente atrasada, gente cafona, gente sem berço", contou.

No final da mensagem, a coreógrafa revelou que já está violando o decreto que só permite a abertura de serviços essenciais em São Paulo. "Eu não voto mais, eu não converso mais. Eu trabalho, eu não sigo regra nenhuma, eu ponho máscara a hora que eu quiser, eu vou sair a hora que eu quiser, eu vou abrir a hora que eu quiser. Eu já tô fazendo isso. Se vier multa, eu recorro. Isso vai ser uma briga judicial que eu vou estar morta, no caixão, e eu não tenho nem herdeiros", afirmou ela.

Por fim, a colaboradora da emissora de Edir Macedo fez um apelo aos colegas do grupo do WhatsApp em que o desabafo sórdido foi feito. "Esse áudio aqui, não vai passar, olha lá, hein? Que gente chata, pelo amor de Deus. Vamos ser felizes! A gente já tá na m***a. Cada um sabe o que faz", pediu.

O pedido, obviamente, foi em vão. Nem mesmo os amigos próximos de Fernanda Chamma conseguiram aguentar calados tantos impropérios e barbaridades ditos em meio a uma pandemia de proporções históricas, que matou 1179 brasileiros apenas nas últimas 24 horas.

*Com colaboração de Gabriel de Oliveira.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Leo Dias