Coluna

Ricardo Feltrin

Amor "grudento" de Neymar precipitou a separação de Bruna, diz amigo

Mathew Imaging/WireImage
Neymar e Bruna Marquezine se beijam em montanha russa, na Califórnia, no início do mês Imagem: Mathew Imaging/WireImage
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

26/06/2017 06h03Atualizada em 26/06/2017 15h24

Pela terceira vez (ou quarta?)  terminou na semana passada o relacionamento do casal mais famoso e seguido das redes sociais do Brasil: o jogador Neymar e a atriz Bruna Marquezine.

A coluna entrou em contato com um amigo próximo da família do jogador do Barcelona, que revelou alguns detalhes sobre o fim do namoro. Obviamente a fonte pediu para não ter sua identidade revelada.

Esse amigo diz acreditar que o  fim do namoro ocorreu, entre outros motivos, devido ao  comportamento “grudento” de Neymar.

Era evidente a todos os amigos do craque, bem como à sua família, que Neymar parecia gostar de Bruna muito mais do que ela dele. Ninguém tem dúvida de que ela é o grande amor da vida do jogador, afirma.

Não que ela não fosse apaixonada, diz o amigo, mas a temperatura da paixão não parecia ser semelhante.

Exemplo: Neymar vivia falando em casamento e por várias vezes disse (inclusive à família) que pediria a mão da atriz.

A primeira vez foi no início do ano, conforme esta coluna antecipou. A ideia era fazer o pedido no dia do seu aniversário, 5 de fevereiro. Ele já tinha comprado inclusive uma aliança, mas acabou mudando de ideia.

Quando estavam em Las Vegas, no Dia dos Namorados, Neymar, 25 anos, mais uma vez ensaiou pedir a mão de Bruna, 21 anos. Acabou convencido (pela irmã? A fonte não sabe) a não fazê-lo.

Quando o casal seguiu viagem para a África, com a irmã do jogador, Rafaella, e o filho pequeno do craque na “bagagem”, a situação ficou um pouco mais tensa.

A certo ponto, Neymar teria colocado Bruna contra a parede: afinal, queria ou não queria ser a mulher dele? Afinal havia muito tempo ele já a chamava de “minha mulher” em redes sociais --para desespero da família dela, a propósito.

Ao ouvir a negativa da atriz, o jogador embirrou e esse, aparentemente, foi o fim.

Bruna acredita que ainda é muito cedo para pensar em casamento e acha que ainda mal começou na carreira.

Nos últimos meses amigos notaram que o jogador havia mudado completamente de comportamento. Principalmente depois que passou a viver com a atriz na Espanha.

Neymar abandonou as baladas, parou de sair com amigos e passou a dedicar quase que todo o tempo livre à (ex) namorada.

Chegou a dizer inclusive que faria de tudo para que Bruna tivesse uma carreira internacional.

Tanta dedicação pode ter surtido efeito justamente contrário.

Amigos do casal ouvidos pelo UOL no Rio ainda acreditam que os dois podem reatar a qualquer momento. Segundo a fonte ouvida pela coluna, isso não parece ser simples agora --embora ele também esteja na torcida.

Assista reencontro de Bruna e Neymar após término

Leia também:

Para renovar com Record, Rodrigo Faro quer salário fixo de R$ 1 milhão

O dia em que Silvio Santos recusou R$ 100 milhões da JBS

colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo