Topo

Coluna

Ricardo Feltrin

Em acordo com operadoras, Simba tem 1 ano para lançar novos canais pagos

Divulgação
Silvio (SBT), Macedo (Record), Carvalho e Amilcare Dallevo (Rede TV!), sócios da joint-venture Simba Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

10/09/2017 07h59Atualizada em 10/09/2017 07h59

Terminado após mais de cinco meses o embate com as operadoras, os três sócios da Simba não terão muito tempo para festejar a volta de seus sinais para cerca milhões de assinantes em São Paulo e Distrito Federal.

Pelo contrário. Em vez da festa, Record, SBT e RedeTV! precisam começar a correr e discutir que novos canais pagos oferecerão às operadoras nos próximos meses.

Segundo esta coluna apurou, essa é uma das condições sine qua non no acordo feito entre Simba e as operadoras Net, Claro e Sky, na semana passada: a joint-venture das TVs abertas tem exatamente um ano para apresentar de dois a três novos canais pagos.

Até o fechamento do acordo, a Simba não havia oferecido simplesmente nenhum, embora seus representantes tivessem divulgado --extra-oficialmente-- nos últimos meses que, se quisessem, poderiam lançar “imediatamente” canais “na linha de shows”, de “novelas antigas e recentes” e até um “canal do Chaves”.

Pessoas a par das negociações ouvidas pela coluna garantem que, desses, o canal de novelas é o único viável em curto ou médio prazos.

Os demais não tem sequer a chance de nascer (Chaves),  ou dependem de muitos outros fatores, que envolvem direitos autorais de imagem e de música, e outros direitos conexos (shows). Ou então nem sequer despertam interesse das operadoras.

O que isso significa: que não adianta à Simba juntar um punhado de conteúdo qualquer e levar para Sky, Net e Claro e dizer: “está aqui”. Não. Porque quem vai dar a palavra final se o futuro canal interessa ou não são as operadoras.

MÃO NO BOLSO

Por fim, a Simba precisará ficar ainda mais esperta porque dentro de exatamente 4 anos o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), irá reavaliar a existência da joint-venture.

Em outras palavras, em meados de 2021 o órgão de defesa econômica vai avaliar novamente se a Simba está cumprindo as obrigações e responsabilidades que chamou para si quando recebeu autorização para ser formada.

Em português claro: os três sócios da Silba precisam a partir de agora enfiar a mão no bolso e criar uma nova estrutura de fato, com funcionários, e investir na compra ou produção de conteúdos que sejam de interesse das operadoras ( e também de seus telespectadores).

Seja R$ 18 milhões ou R$ 18 reais por mês (os valores acertados são desconhecidos ainda), o que é certo  é que pelo menos cerca de 30% do que as operadoras passarem a repassar à Simba mensalmente, a partir de agora, deverá se tornar investimento em conteúdo e programação. A joint-venture não pode enfiar o dinheiro em seu caixa e ir embora assobiando.

É um preço até pequeno que Record, SBT e RedeTV! pagarão por ter ignorado TV por assinatura nos últimos 25 anos.

Leia também

Após comprar enxoval para filhas nos EUA, Silvio volta ao trabalho no SBT

Ex-diretor da Record move e perde ação de R$ 18 milhões contra emissora

Demora na renovação de contratos causa apreensão em artistas da Record

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops!

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!